Pular para o conteúdo principal

Descontando-se do virtual para viver o real - por Davi Geffson


Em uma época que o virtual é mais real que a própria realidade, estamos perdendo de ser quem somos para nos moldar àquilo que a mídia insiste que sejamos. Ou se estabelece um enquadramento nesse parâmetro modular, ou então, seremos exclusos deste circulo virtual.



Estamos perdendo em essência e em substância, cada existe menos de nós e mais daquilo que é pré-estabelecido. A amizade virtual parece ser mais legal, mas já percebeu que quando se encontra aquele “amigo virtual” às vezes nem um “Oi” se dá? Isso é a distância das telas, a aproxima distanciada pela rede de internet nos deixa mais à vontade, é aí que entra a mudança substancial, se antes um abraço era alimento, hoje é uma curtida que preenche lacunas, sacia o ego e acalma a alma.

Essa conexão virtual tem nos deixado reféns de um simples like, que coisa né? O ser humano conseguir curvar-se a uma simples curtida, que nada lhe agrega enquanto pessoa, pelo contrário, existem curtidas que são apenas conveniências, e nada diz respeito ao grau de “sucesso” que se tem.

É preciso desligar-se um pouco, deixar as curtidas virtuais de lado e curtir o outro. O dedinho da curtida, jamais irá ocupar o lugar de um “joia” pessoalmente, compartilhar experiências, risadas, abraços, momentos, jamais poderá ser substituído por um compartilhamento de algo que foi postado, um comentário olho no olho é insubstituível, mostrará a realidade daquilo que está sendo dito. É disso que precisamos, as pessoas estrão virando máquinas, e máquinas não têm sentimentos, não apenas manipuladas. Por isso, é preciso desconectarmo-nos do virtual para viver o real. E aí, descontou?



Davi Geffson é mercadólogo e estudante de Letras. Escreve em ConTexto às segundas-feiras.

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Solidariedade: grupo de voluntários distribui mais de 1.500 refeições em Caruaru

Em tempos de contágio do novo coronavírus, há outro sentimento sendo disseminado em meio à população: a solidariedade. A corrente do bem se espalha e as mãos que ajudam também são ajudadas pelas que recebem. Além da higienização do corpo, que é um dos protocolos das medidas sanitárias contra o covid-19, fazer o bem ao próximo ‘limpa a alma’ daqueles que percebem a condição humana de todos. A pesquisa ‘Tracking the Coronavírus’, realizada pela Ipsos entre 26 e 28 de março, mostrou que o Brasil está no topo do ranking dos países quanto à preocupação com as pessoas mais vulneráveis. 70% dos entrevistados no Brasil afirmaram temer pelos mais debilitados. Neste percentual, estão as missionárias Sabrina Carvalho e Sara Galdino, que moram em Caruaru, no Agreste pernambucano. Em meandros de março, elas iniciaram uma ação que, a princípio, parecia pontual e singela. “Quando as autoridades em saúde começaram a intensificar a necessidade de constante higienização das mãos, ficamos preocup