Pular para o conteúdo principal

Descontando-se do virtual para viver o real - por Davi Geffson


Em uma época que o virtual é mais real que a própria realidade, estamos perdendo de ser quem somos para nos moldar àquilo que a mídia insiste que sejamos. Ou se estabelece um enquadramento nesse parâmetro modular, ou então, seremos exclusos deste circulo virtual.



Estamos perdendo em essência e em substância, cada existe menos de nós e mais daquilo que é pré-estabelecido. A amizade virtual parece ser mais legal, mas já percebeu que quando se encontra aquele “amigo virtual” às vezes nem um “Oi” se dá? Isso é a distância das telas, a aproxima distanciada pela rede de internet nos deixa mais à vontade, é aí que entra a mudança substancial, se antes um abraço era alimento, hoje é uma curtida que preenche lacunas, sacia o ego e acalma a alma.

Essa conexão virtual tem nos deixado reféns de um simples like, que coisa né? O ser humano conseguir curvar-se a uma simples curtida, que nada lhe agrega enquanto pessoa, pelo contrário, existem curtidas que são apenas conveniências, e nada diz respeito ao grau de “sucesso” que se tem.

É preciso desligar-se um pouco, deixar as curtidas virtuais de lado e curtir o outro. O dedinho da curtida, jamais irá ocupar o lugar de um “joia” pessoalmente, compartilhar experiências, risadas, abraços, momentos, jamais poderá ser substituído por um compartilhamento de algo que foi postado, um comentário olho no olho é insubstituível, mostrará a realidade daquilo que está sendo dito. É disso que precisamos, as pessoas estrão virando máquinas, e máquinas não têm sentimentos, não apenas manipuladas. Por isso, é preciso desconectarmo-nos do virtual para viver o real. E aí, descontou?



Davi Geffson é mercadólogo e estudante de Letras. Escreve em ConTexto às segundas-feiras.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…