Pular para o conteúdo principal

A Princesa e o Plebeu – por Sabryna Thais

“What the world needs is a return to sweetness and decency.” Essa frase é dita algumas vezes pela Princesa Ann (Audrey Hepburn) no clássico “Roman Holiday”(A Princesa e o Pebleu).



Todo o filme é um exemplo de decência e doçura no mundo. O romance entre Joe Bradley (Gregory Peck) e Ann, surge de uma forma inesperada e divertida. Joe, logo de início, vê-se obrigado a levar uma desconhecida, aparentemente bêbada, para sua casa. A primeira coisa a ser observada é a forma que ele encara essa situação. É quase impensável para alguns hoje em dia, levar uma mulher – que sequer está em si – e cuidar dela sem segundas intenções. Joe poderia ter se aproveitado da situação, mas comporta-se como um verdadeiro homem. Protegendo-a dos perigos do mundo e sendo um lugar seguro para ela. Muitos homens andam esquecidos de que precisam ser isso para suas mulheres. Michel Houellebecq disse que ‘’ Um casal é um mundo, um mundo autônomo e fechado que se desloca no meio de um mundo mais vasto, sem ser realmente atingido por ele.’’ O homem deve ser a camada mais espessa, quem primeiro recebe todos os problemas externos e ameniza-os.

Por outro lado, vemos a Ann, uma princesa que está cansada de sua agenda lotada, de todos os compromissos e protocolos. Ela imagina que sua vida seria mais fácil e prazerosa se não tivesse tanta responsabilidade sobre suas costas. Ao se apaixonar por Joe Bradley, pela primeira vez, sente-se liberta. O dia mágico que vivem, todas as aventuras, fazem com que Ann deseje que sua vida seja assim, sempre. Mas ela escolhe seguir seu dever e compromisso com seu país, com seu povo, ao invés de seguir seus sentimentos. Que grande lição podemos tirar disso! Nossos sentimentos mudam, mas aquilo para qual viemos ao mundo, nossa vocação, precisa vir sempre em primeiro lugar. É isso que importa na vida de uma mulher. Não é o que ela sente, pois, em um único dia, pode ir da mais perfeita paz a uma Odisséia completa. Imagine uma vida que seja guiada pelos sentimentos, que desastre total!  

Ambos agem como devem agir, mesmo quando isso não é prazeroso para eles.

Em uma sociedade hedonista, onde o que mais importa é o prazer pelo prazer, nada é mais urgente do que ter esse conceito de dever bem claro em nossas mentes. E, sim, o que o mundo mais precisa é um retorno urgente para a doçura e decência.

Sabryna Thais é professora.

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid