Pular para o conteúdo principal

Que falta o Carnaval faria - por Marcos André Fernandes

Seja franco...

Que falta faria essa festa que mata, mutila e invalida temporária e devinitivamente, tanta gente no trânsito?




Que falta faria os bilhões jogados na latrina por alguns momentos de festa? E se este monte de dinheiro fosse aplicado em coisas urgente e necessárias que temos para fazer em nossa Nação?

Que falta faria o carnaval se não corresse o mundo imagens de prostituição e lascívia tão comuns durantes estes dias? 

Aliás, e as mulheres, que visão enviesada essa festa trás delas? Para muita gente no mundo o Brasil é terra de mulheres que rebolam a procura de sexo, essa é a imagem que o carnaval vende do Brasil. Que falta faria o carnaval para as nossas mulheres?

Que falta faria o carnaval aos nossos jovens, aos adolescentes e as crianças? 

Que falta faria esse "self service" escancarado de drogas e bebidas? Com certeza faria falta aos traficantes e não faria falta nenhuma às famílias, em especial as nossas novas gerações abertas e indefesas. Faria falta a indústria de bebidas alcoólicas, essa lástima que acaba com a vida de tanta gente.

Que falta faria à menina embriagada que se entregou e perdeu a virgindade, que gerou um filho inesperado, que por sua vez correrá o risco de uma morte violenta no útero da sua pequena mãe?

Sinceramente, seja honesto, que falta o carnaval faria?

Marcos André Fernandes é missionário e músico 

Comentários

  1. Com toda certeza do mundo o carnaval, no meu ponto de vista não faria falta alguma por esses motivos que foram citados no texto acima mencionado e por muitas outras situações indesejáveis que ocorre durante o período de carnaval.
    Esta é minha simples opinião!!!

    ResponderExcluir
  2. Para mim não faria falta nenhuma porque isso é primeiramente acontece muitas coisas erradas no carnaval e também biblicamente falando isso é tipo quase comemorando a morte de João Batista e no Carnaval não tem nada que presta mesmo então para mim não faria falta em mim

    ResponderExcluir

Postar um comentário


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos. A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores. Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas