Pular para o conteúdo principal

LUTO - por Amanda Rocha


LUTO
Amanda Rocha

Luto todo dia para sobreviver nesta terra do canarinho
Luto plantando, vendendo, advogando, estudando, ensinando, luto.
Luto para sobreviver a cada bala perdida, a cada alma ferida e cada língua ferina.
Luto para alimentar meu filho, cuidar de meus pais.
Luto na fila do SUS, pela vaga na universidade
Luto para que as injustiças não consumam minha sanidade. 
Luto para sobreviver às péssimas estradas
Luto contra ganância, contra a corrupção
Luto para sorrir ao sorriso da meninada, para gritar o gol, para dançar um bom samba
Luto
Luto
A cada dia um novo luto
Não importa se em Mariana, Brumadinho, São Paulo, Gonçalo, Caruaru. 
A cada dia um novo luto
Um tiro, um ataque terrorista. Luto!
As lágrimas até lutam para não caírem, mas o luto é forte, assim, luto! 
Enquanto enlutamos, lutamos na tentativa de que o luto não exista mais 
Milhares enlutados, lembranças entaladas, gritos estufados no peito. Luto! 
A cada luto, uma nova luta
Luto para não ver o luto, mas ele insiste em encravar esse maldito luto que seguirá 
Logo, logo, outro luto nos arremeterá.


Foto: Heitor Feitosa/Portal do Holanda




SIMULTÂNEO
Ionara Lima

Ontem, enquanto agiam
Sem imaginar
Aos alunos eu pedia
Que poemassem
Sobre a juventude
Meu Deus,
Que atitude
Cruel!
Foi além
Dessa vez, pasmei.
Nem sei… nem sei 
O que dizer a família
Aos amigos
A quem ficou
Nem sei.
Já imaginou
Pra que ponta 
O mundo virou?
Se foi pra cabeça
Enlouqueceu.
Maldade, quero sair
Aí! Um aqui no chão
A menina gritou.
Em meio a tudo
Real, inspiração
Não falta
E vendo o que se ver
Prossigo, não posso calar.


 Participação especial de grande poetisa e amiga Ionara Lima. Ambos poemas em memória às famílias enlutadas pela morte brutal dos alunos da escola estadual em Suzano, em São Paulo.

Deus vos abençoe.


Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid