Pular para o conteúdo principal

Armas ou livros? - por Amanda Rocha

Os trágicos acontecimentos que estrearam o ano de 2019 tomaram as manchetes de televisão e provocaram comoção e dor, ademais o medo, não apenas nós brasileiros, mas toda a população mundial ficou, ou ainda se encontra, estarrecida. Catástrofes ambientais como o ciclone que atingiu o sul do continente africano, cuja estimativa de vítimas ultrapassa os mil mortos e milhares de desabrigados. Os crimes bárbaros, tais como os ocorridos na Nova Zelândia, onde 50 pessoas foram mortas e a história de terror vivenciada em Suzano, no estado de São Paulo, cujo saldo de mortos foi onze, incluindo os atiradores. Na Holanda, três vítimas de mais um provável ataque terrorista. A queda do Boeing 737 na Indonésia, 189 pessoas vitimadas; antes desse fato ocorreu também a queda de um avião semelhante, na Etiópia, e neste último 157 morreram. Brumadinho, Minas Gerais, mais de duzentos mortos e diversos ainda desaparecidos. Sequer finalizamos o primeiro trimestre, mas as lágrimas derramadas nesse início de 2019 são capazes de afogar os meses que sucederão, encobrindo-os pelo asco e clamor.



O Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada – IPEA, órgão associado ao Ministério da Economia divulgou, ainda em junho de 2018 em conjunto com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP), o Atlas da Violência 2018, cuja finalidade é compreender o processo da acentuada violência no país, embora este órgão não tenha ficado imune às concepções ideológicas predominantes entre os “intelectuais” e a mídia em geral o que implica em ser eivada por ideologias de esquerda e apresentar de forma confusa alguns dados, o tomarei como referência. Os números apresentados reforçam o sentimento de temor que assola os brasileiros, pois embora as tragédias como a de Mariana e Brumadinho sejam comoventes, há algo mais corriqueiro: a violência. No ano de 2016, segundo dados do Ministério da Saúde ocorreram 62.517 mil homicídios. Na última década mais de 500 mil pessoas foram vítimas de homicídio no Brasil, é um número assustador.

Ao focar meramente o Estado de Pernambuco, apontado como um dos mais violentos do país, percebe-se que o receio não é um exagero. Apenas nos dois primeiros meses de 2019 já são contabilizados aproximadamente 600 homicídios, embora haja uma redução caso comparado ao mesmo período no ano anterior essa cifra é alta e garante aos pernambucanos uma vida limitada por medo do crime, o que acaba por incorporar ao cotidiano hábitos defensivos, com o objetivo de proteger-se da criminalidade. Segundo a Secretaria de Defesa Social do Estado os meses de janeiro e fevereiro já computam 299 casos de estupros e 13.037 casos de roubo, não se quedar perplexo é um fato atípico. E o grande questionamento é como barrar a evolução desses números.

Ao passo que a violência amplia, discute-se quais seriam os mecanismos mais eficazes para neutralizar essa onda de criminalidade. Não obstante, essa discussão ganhou força nos palanques eleitorais, assim, a segurança pública passou a ser carro chefe dos candidatos no último pleito eleitoral. Ainda ontem, foi instaurada a Frente Parlamentar da Segurança Pública que promete agir com o intuito de aprovar alterações legais no âmbito penal, atendendo aos anseios da população atualmente cativa da marginalidade.

Essa insegurança desenha um cenário para o debate do porte de armas. Se por um lado os contrários a liberação do porte de armas por civis alegam que as elas provocam um caos e instabilidade, os dados oficiais provam que foi justamente após a promulgação do Estatuto do Desarmamento que os homicídios e demais tipificações penais cometidos com o uso de armas de fogo aumentaram. Esses índices revelam que o Estado não consegue cumprir com seu papel de certificar a segurança, tão pouco impor o próprio desarmamento, o qual serve exclusivamente para o cidadão e retirar-lhe o direito de autodefesa.  Na prática, o Estatuto do Desarmamento serviu para facilitar a desordem social e provocar a sensação de instabilidade e medo. Por fim, esse ambiente é perfeito para o surgimento de líderes populistas que prometem revoluções e mudanças de sistema com cerne em pseudos cuidados sociais, tais como a oferta de ensino, saúde e lazer, todos à la comunismo de Karl Marx.  Não impressiona que justamente os líderes de países que vivem ou almejam concretizar as ideologias de esquerda são os que desarmaram sua população, vide o perverso e criminoso governo venezuelano, vide o Brasil.

Uma das maiores dificuldades que o brasileiro apresenta no âmbito de análise textual é justamente a relação causa-consequência, sendo necessárias explicações lógicas para o entendimento de quaisquer situações por mais nítidas que se apresentem. Há anos o Brasil vê os índices educacionais despencando, a saúde pública a cada dia mais precária e a violência crescente e a causa pode ser observada ao analisarmos as medidas de nossos antigos governantes, que alegavam preferir livros a armas, mas ofertaram-nos uma educação precária e doutrinadora. Fartos em populismo, serviram-se de maquiagens econômicas e esmolas que asseguraram votos, bem como impuseram a reprodução de seus discursos. Essa quadrilha que se encaminha para um “enjaulamento”, a exemplo do ex-presidente Lula (e agora o Michel Temer) alucinou suficientemente ao ponto de ainda encontrar, mesmo após as desastrosas consequências de suas lideranças, fanáticos que reproduzem seus discursos e os conclamam para mais uma temporada de destruição à pátria regada ao altíssimo índice de criminalidade urbana. A solução para a violência não é simplória, mas perpassa pelo uso  das armas e dos livros.

 

A indicação de leitura de hoje é “Mentiram Para Mim Sobre o Desarmamento” de Flavio Quintela. Que Deus vos abençoe.



Amanda Rocha é professora. Escreve em ConTexto às quintas-feiras.




Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid