Pular para o conteúdo principal

TRAGÉDIA: Se fechar a porta é a solução, então, por gentileza, feche a porta - por Davi Geffson

Existe um costume bem corriqueiro entre os brasileiros, tornou-se até um dito popular: “só fecha a porta quando é roubado”, e de fato, somos assim. Nos últimos dias temos visto a lama destruir uma cidade e o fogo destruir um Centro de Treinamento, avisos, notificações, e nenhuma reação para evitar o problema, até que aconteceu.

Somos assim. Aguardamos o problema se agravar, queremos ver a tempestade balançar o barco com mais força, até que possamos gritar por socorro, no entanto, o grito no meio do caos, nem sempre é ouvido, chega a se confundir com as pancadas do egocentrismo que gera o início da tragédia, e quando menos esperamos, vai tudo de lama a baixo, literalmente.

Comoção retrata perda na tragédia no Ninho do Urubu. Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil


Aprender na tragédia é tornar-se professor da sua própria vivência. A tragédia mostra o quando somos limitados para dar jeito ao inesperado, e é justamente isso, quando o inesperado chega de forma grosseira somos pegos de surpresa, no entanto, existem momentos que este é sinalizado, chega a correspondência de que a sua chegada poderá ser possível e a recepção evitada.

Todos os dias somos alvos de tragédias, não nos damos conta de que podemos evita-las e as deixamos ganhar força e proporção. Evite-as. Já percebeu o que você tem dado ao outro? Somos “represas”, e as vezes deixamos que haja um rompimento e nem nos importamos se aquilo que sai de nós irá afogar, destruir, dessolar o outro, é preciso cuidado, tem gente que não tem nada a ver com aquilo que guardamos pela ganância.

Distribua aos poucos, vá doando o que há na reserva do coração, os bons sentimentos, as boas atitudes, os abraços, os beijos, os cumprimentos, até aquele “estou com saudade”. Não deixe que a “lama”, que sufoca, destrua o que se levou anos para construir, é preciso fortalecer a estrutura, vistoriar as relações. Evite a tragédia.



Davi Geffson é mercadólogo e estudante de Letras. Escreve para ConTexto às segundas-feiras.

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio