Pular para o conteúdo principal

Qual sua prioridade? – por Estêvão Soares


Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.” Mateus 6.33

A Revista VocêRH de fevereiro/março de 2019 apresenta na sua capa um título que me chamou muito atenção, “causa mortis: trabalho”. Talvez esse assunto não seja novidade para alguns, mas cada diz mais o brasileiro parece ser desafiado por essa causa. Veja que a pesquisa realizada em 2015 pela Isma Brasil (International Stress Management Association) constatou que 72% das pessoas estavam insatisfeitas com o trabalho, sendo geralmente a insatisfação resultado da falta de reconhecimento, excesso de tarefas e problemas de relacionamento.




A pós-modernidade têm um papel muito grande no que tange ao comportamento do trabalhador, especialmente da meninada que está começando agora. Sabe, essa nova geração cresceu em uma época de inversão de papéis, inversão de valores, quebra de paradigmas e busca pela autossatisfação acima de tudo.

Lógico que identificamos também lampejos de clareza ou vocação para servir, mas sem querer generalizar vivemos um mundo onde cada ser humano tem travado diariamente uma luta por si, por sua sobrevivência, por sua felicidade, por suas realizações. A questão é que nessa luta diária em ser vencedor o homem tem invertido os papéis, e administrado mal sua vida quanto as suas prioridades.

O texto sagrado nas palavras de Jesus apresentadas pelo evangelista Mateus deixa bem claro que há uma ordem nas coisas, como diz meu amigo Jenérson Alves, “antes que houvesse luz, houve cruz”, antes do trabalho, antes do “eu”, antes da igreja, antes da família, antes de tudo, está a essência de tudo, o criador de todas as coisas, está o princípio e fim, está Deus El-Shaday. Assim, nossa vida não pode ser dissociada da fé no trabalho. Nossas práticas não podem ser santas ou profanas. Nosso evangelho não pode ser aprisionado nas paredes de uma construção.

O grande desafio nosso é entender assim como Maria que só uma coisa é essencial, que só uma pessoa deve ocupar o primeiro lugar em nossa vida (cf. LC 10 38-42). Não há espaço para idolatria das coisas ou do “eu”, existe uma ordem apresentada por Jesus, existe uma ordem de prioridades, senão, alguma coisa vai dá errado.  

Vejamos, apresentei o título da VocêRH no início deste texto como amostra do que a inversão de prioridades pode causar na vida do ser humano, vejamos as causas da infelicidade no trabalho apresentada pela Pesquisa da Isma, as pessoas tem desenvolvido ao longo de suas vidas doenças físicas e emocionais que são resultado da falta de reconhecimento, excesso de trabalho e problemas de relacionamento.

Sabe o que isso nos mostra, nossa fé não pode estar longe da nossa escrivaninha, do nosso laptop, ou da nossa vassoura. Nossa fé não pode ser abandonada e trocada pelo reconhecimento humano, pela satisfação, pelo elogio, ou pelo simples aumento de salário. Não podemos esquecer que Deus nos conhece desde o ventre de nossa mãe. Não podemos esquecer o futuro maravilhoso que Deus tem preparado para nós.

Na verdade, o trabalho tem sido a causa mortis de muita gente porque ele tem ocupado um lugar nas prioridades do homem pós-moderno que não é d’Ele. Avalie suas prioridades, qual o lugar de Deus, da sua família, da igreja, do trabalho e do seu “eu” na sua lista. Não se surpreenda com o seu trabalho tentando lhe assassinar, Jesus prometeu vida verdadeira e abundante, apenas, coloque cada sua lista de prioridades de acordo com o desejo do seu Pai.




Estêvão Soares é bacharel em Administração de Empresas. Escreve em ConTexto aos sábados

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid