Pular para o conteúdo principal

Qual é o seu lugar? - por Estêvão Soares

Você já fez essa pergunta? Essa talvez não é uma pergunta que ronde sua cabeça, ou melhor, talvez até ela surja em determinados momentos, mas, a resposta para ela talvez seja um pouco difícil de encontrar, pois, não é algo tão simples quanto parece.

E, só para colocar mais “fogo na lenha” eu vou te fazer outra pergunta: Você faria o seu trabalho sem receber nenhum centavo? Pronto, agora complicou de vez. Sabe porque, nós vivemos em mundo capitalista, regido pelas leis de mercado, oferta e demanda, trocas pecuniárias nas relações, relações baseadas no que eu posso ganhar, e tudo mais que as relações comerciais oferecem. Isto não seria diferente nas relações de trabalho, trabalha-se para receber algo em troca, oferece-se ao patrão sua força de trabalho, e, em contrapartida no final do mês recebe o seu salário.



Mas, e se não houvesse pagamento, você seria capaz de fazer a mesma coisa? Que pergunta! Como sobreviver? como pagar suas contas? como manter a escola dos seus filhos? É, talvez teríamos muitas outras réplicas como estas.

Na verdade, não quero falar sobre trabalho escravo, mas, sobre o propósito no trabalho. Isso mesmo, propósito. E, o que isso tem a ver com fazer aquilo que você faz sem receber nenhum centavo? Tudo.

Propósito é o que dá sentido. Propósito é a essência do que se faz. Propósito é o autoconhecimento do que se é, do que se faz, e pra quem faz. Propósito é a convicção de resposta para perguntas como: “o que estou fazendo aqui”, “para que estou aqui”. Portanto, o trabalho não deveria ser encarado apenas como uma obrigação diária e distorcida, distante daquilo que se vive. O trabalho não é algo desvinculado do ser e existir aqui na terra. O trabalho não é algo que se faz apenas pela relação comercial.

No trabalho o ser humano também se realiza, no trabalho o ser humano também cumpre o propósito para o qual foi criado. No trabalho o homem encontra sua essência e assim sentido para sua vida. Por isso, é tão importante responder a segunda pergunta do início desse texto, você faria aquilo que faz mesmo que não recebesse nenhum centavo?      A resposta a essa pergunta identifica se você está no lugar que deveria estar.

E qual é o que lugar? O lugar que você deve estar é aquele onde não se encontra apenas uma compensação comercial pelo trabalho laboral oferecido, mas, aquele onde você seria capaz de fazê-lo mesmo sem receber nada em troca, mesmo sem receber um elogio, mesmo sem receber um centavo. Sabe porque, nesse lugar, o dinheiro não exerce seu reinado como regente da sua vida, mas o desejo de fazer, de oferecer, de servir, de se entregar, sabendo que aquele trabalho de renova, te dá vida, de faz alegre, te faz vivo, te apresenta esperança.

Quando encontramos o propósito no trabalho, a compensação pecuniária torna-se apenas um adendo aos frutos e resultados intangíveis obtidos pelo senso de convicção de estar no lugar onde se deveria estar. Viver com propósito no trabalho, na vida profissional, mostra que os fins nem sempre justificam os meios, que o alto salário nem sempre justifica o sacrifício da família, que ócio muitas vezes é muito mais criativo que a hiperatividade, que a paz não se encontra nas férias, mas no dia-a-dia com Deus em cada atividade laboral, em cada esforço, em cada sacrifício pelo outro, em cada momento de cuidado do outro.






Estêvão Soares é bacharel em Administração de Empresas. Escreve em ConTexto aos sábados.

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid