Pular para o conteúdo principal

Nenhum ciclo se mantém, tudo se reinicia – por Davi Geffson


Ninguém liga o computador e deixa-o ligado para sempre. O mesmo acontece com as redes sociais, ninguém vive 24 horas online, você precisa comer, dormir, descansar, e sair do tédio de lamúrias de alguns amigos que fazem questão de expor toda e qualquer opinião que ativa o “sininho” da mente, talvez seja isso que torna chata a vida das pessoas. É preciso reiniciar!

Quando se reinicia uma carga de informações são deletadas, páginas são fechadas e temos a oportunidade de pegar tudo em um modelo que “padrão de fábrica”, é estilo fazer um backup, que massa, nossa mente ficaria limpinha e pronta para reinstalar novos apps, no entanto, nem tudo é possível deletar da nossa mente, entretanto, podemos reiniciá-la, isso é possível.



De que adianta acumular tantas informações negativas e não querer se renovar, não dá a oportunidade para que você mesmo receba novas pessoas, novas conversas, novos ares, tenha novas experiências, reinicie, esvazie a mente de tanta confusão e, assim como o computador, “programas” que só sabem travar, deixando cada vez mais lento e sem sua total utilidade.

Precisamos desinstalar, instalar e reinstalar, cada processo irá trazer um resultado, positivo, ou talvez não, mas pelo menos o sistema foi renovado. Não seja vítima de você mesmo, isso é cruel, seja seu cumplice, seu amigo, seu programador de sistemas. Nenhum ciclo se mantém tudo se reinicia, nenhum dia perdura, nenhuma noite se estende mais um pouco, nenhum verão esbanja constantemente o seu sol, tem horas que vêm as chuvas de verão, e assim segue-se o processo, tudo vai mudando, alterando a rota e levando-nos à caminhos diferentes.  

Então, permita-se! Não acumule maus pensamentos, se um dia te ofenderam, não se preocupe, tudo se reinicia, o ciclo da vida nos faz ir e vir, e de onde saímos, poderemos um dia retornar, não faltarão oportunidades para que vejam que você mudou, que as coisas mudaram, que não mais importa o que passou. Seja você! Reinicie diariamente, assim como faz o próprio dia. Está preparado(a)? Podemos reiniciar?




Davi Geffson é mercadólogo e estudante de Letras. Escreve em ConTexto às segundas-feiras

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Solidariedade: grupo de voluntários distribui mais de 1.500 refeições em Caruaru

Em tempos de contágio do novo coronavírus, há outro sentimento sendo disseminado em meio à população: a solidariedade. A corrente do bem se espalha e as mãos que ajudam também são ajudadas pelas que recebem. Além da higienização do corpo, que é um dos protocolos das medidas sanitárias contra o covid-19, fazer o bem ao próximo ‘limpa a alma’ daqueles que percebem a condição humana de todos. A pesquisa ‘Tracking the Coronavírus’, realizada pela Ipsos entre 26 e 28 de março, mostrou que o Brasil está no topo do ranking dos países quanto à preocupação com as pessoas mais vulneráveis. 70% dos entrevistados no Brasil afirmaram temer pelos mais debilitados. Neste percentual, estão as missionárias Sabrina Carvalho e Sara Galdino, que moram em Caruaru, no Agreste pernambucano. Em meandros de março, elas iniciaram uma ação que, a princípio, parecia pontual e singela. “Quando as autoridades em saúde começaram a intensificar a necessidade de constante higienização das mãos, ficamos preocup