Pular para o conteúdo principal

MPPE ajuíza ação civil pública para anular contrato referente ao Baile Municipal de Caruaru

O Ministério Público do Estado de Pernambuco (MPPE), através da 2ª Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público de Caruaru ingressou com ação civil pública (ACP) na 1ª Vara da Fazenda Pública da Comarca do município, no último dia 12 de fevereiro, contra a Fundação de Cultura e Turismo de Caruaru, representada pelo seu presidente Rubens Rodrigues da Silva Júnior; e contra a empresa Caruaru Eventos e Shows Ltda, representada pelos seus sócios-administradores Sérgio Murilo Lucena e Luiz Henrique Lima.

Por meio da ACP, o MPPE requer a anulação do contrato de locação de imóvel celebrado entre a Fundação 
de Cultura e Turismo de Caruaru e a empresa Caruaru Eventos e Shows Ltda para fins de realização do Baile Municipal de Caruaru, previsto para esta sexta-feira (15), e consequente devolução, com juros e correção monetária, dos valores eventualmente pagos ilicitamente.O Ministério Público de Pernambuco pede ainda a suspensão liminar da execução do referido contrato.

Segundo o texto da ação civil pública, os serviços para o baile foram contratados mediante o Termo de Contrato de Locação de Espaço n°03/2019, celebrado entre a Fundação de Cultura e Turismo de Caruaru e a empresa Caruaru Eventos e Shows Ltda, no dia 25 de janeiro de 2019, após a requisição ministerial, e excediam as hipóteses de excepcionalidade da adoção de procedimento licitatório.

Do objeto do contrato, no valor total de R$ 120 mil, a locação do imóvel corresponde apenas a R$ 35 mil (29,17%), tendo a Fundação de Cultura invocado a hipótese de dispensa de licitação para locação de imóveis para adquirir outros serviços como segurança, limpeza, serviços médicos de procuradoria jurídica, sublocação de pontos de venda e adquirir produtos de limpeza e até mesmo bebidas alcoólicas sem sequer a discriminação de suas qualidades e quantidades”, descreveu o promotor de Justiça Marcus Tieppo, no texto da ação.



Fonte: MPPE

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos. A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores. Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas