Pular para o conteúdo principal

Hoje tem poesia? Tem sim senhor! – por Amanda Rocha

A origem da poesia confunde-se ao próprio desenvolvimento da linguagem verbal, não se sabe ao certo quando ela surgiu, seu conceito também é plural, mas o consenso reside em destacar sua beleza, expressividade e importância. Dentre as mais belas e sofisticadas artes, está a poesia com seus encantos, embriagando de fascínio os bem-aventurados que a leem. 


Poética

Julgam-te lâmina dura;
Proclamas a dor,
Feres a alma?
Corroboras a imaginação.
Leva-nos ao infinito

Teu nome é poesia:
União de palavras
Na busca da beleza

És como uma vara de condão
mutando todas as indecorosas
palavras em luz; lumiando
a mais obscura candela

Buscando sempre a graça,
Sem negar-se a beleza,
Que por diversas vezes
É posição à verdade
És reflexo do pensamento
Transmitindo alegria ou tormento

Da função poética ao uso da metalinguagem, ocorrida na poesia acima, essa arte é espaço para declarar o amor que não ama:

O fascínio em olhar

Cativas meu olhar
Não ouso desviá-lo
A cobiça não me domina
Possuir-te? Não!
Admirar-te.
Mirar tua beleza sem tocar-te

Tomar-me por tão doce encanto
Entregar-me ao nobre sentimento
Ofertar-me à criatividade
Compor belas canções
Num sonho infinito
Repleto de imaginação

Distante te quedas
Assim digo-te que fiques
Pois no aproximar ou no tocar
Todo o encanto se esvai
Logo, outra beleza hei de olhar.


Dos desencantos ao mais puro e nobre amor, não importa se clichê, o que vale é amar sem porquês:

Entrega

Encanto e formosura
Força aguerrida e candura
Proteção, afago, provisão
Teus braços meu universo
Teus beijos, meu desejo
Teus sonhos, meu anseio
Tua falta, meu desalento
Preencha essa ausência
Mate a dor de meu peito
Alegre-me com teus sorrisos
Sufoque-me o contentamento
Tolha as desventuras
Sacie-me de loucuras
Reinvente uma nova canção
Cante-a aos meus ouvidos
Sussurre toda a paixão
Olhe-me nos olhos
Atente à minha declaração
Nomear já não posso
Devoção não expressa
Com tanta exatidão
Por certo é a felicidade
Que tomou nosso coração

A relação espiritual entre o homem e seu criador também encontrou nessa arte espaço para expor:

Enche-me de Ti

Sou um ser vazio
Minha essência ficou no Edem
Desde então me preenchem
A vergonha e a dor

Uma carência há:
Tornar-me repleto
Do interior
que meu pecado usurpou.
Embora caído e desprezado
Tua graça alcançou-me
Resgata-me da perdição

Não há como expressar
Toda a gratidão
A cada dia resta-me
Confiar em teu perdão
Enquanto clamo, aguardo redenção

Não há impedimentos para a poesia; dor, alegria, amor, ódio, tudo deixa de ser o que é, e passa a ser aquilo que o arquiteto das letras o queria tornar. A arte do sentir, do expressar, simplesmente a pura e boa poesia. Que Deus vos abençoe.



Nesta semana farte-se com a leitura de Para Viver com Poesia, de Mário Quintana ou À Cidade de Mailson Furtado Viana. 



Amanda Rocha é professora. Escreve em ConTexto às quintas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…