Pular para o conteúdo principal

Deputada petista diz que Governo Federal quer “controlar liberdade de credo”


No ambiente político, é costumeiro avaliar os 100 primeiros dias de um governo. Porém, a deputada estadual Teresa Leitão (PT) não se aguentou e apresentou uma lista de destaques negativos do Governo Bolsonaro em apenas 50 dias de gestão. O pronunciamento ocorreu na tarde de ontem (19/02) durante reunião plenária da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe).

A petista disse crer que o Governo Federal estaria tentando ditar a pauta dos sacerdotes católicos, o que ameaçaria a liberdade religiosa. “Não estão investigando os Arautos do Evangelho ou a Opus Dei, mas sim o chamado ‘clero progressista’ – ou seja, o setor da Igreja que, para eles, está se aproximando do povo pobre. Ora, a base de Alcântara pode ser reaberta para os Estados Unidos, mas bispos brasileiros discutirem a Amazônia são uma ameaça?”, questionou a petista.

Leitão também criticou o ministro da Educação. Foto: Roberto Soares/Alepe


A deputada ainda falou que o Governo “afronta a Constituição”, dizendo que o mesmo quer cercear a liberdade de orientação sexual e, agora, “tenta controlar a liberdade de credo”.   “Vão perseguir outro Padre Henrique, outro Frei Tito, outro Dom Helder?”, indagou, citando nomes de religiosos católicos que foram contrários aos governos militares.

As ações de monitoramento, publicadas em matéria do jornal O Estado de S. Paulo no dia 10 de fevereiro, foram relativas a eventos preparatórios do Sínodo da Amazônia – encontro de bispos católicos que será realizado em outubro, em Roma, para discutir problemas da região. Segundo a reportagem, quatro escritórios da Abin foram mobilizados para acompanhar reuniões referentes ao Sínodo em paróquias e dioceses.

Em nota oficial, o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência declarou que “a Igreja Católica não é objeto de qualquer tipo de ação pela Abin”, mas que “parte dos temas do Sínodo tratam de aspectos que afetam, de certa forma, a soberania nacional”.

Educação
Em sua análise dos 50 dias de governo, Teresa Leitão também opinou que diversas  declarações de ministros do Governo Federal são “estapafúrdias, sem consistência política ou respeito à liturgia do cargo”. “O ministro da Educação, por exemplo, acha que o ensino pode ser uma mercadoria, num país que tem uma legislação consolidada que trata a educação como direito subjetivo”, criticou.

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid