Pular para o conteúdo principal

Cara caramba... Cara, caro foi! - por Oscar Mariano


Nas décadas de 60, 70 até o final de 80, o carnaval em Caruaru era forte, e tínhamos na cidade vários bailes carnavalescos, a exemplo do Vermelho e Branco. As escolas de samba e várias agremiações desfilavam pelas principais ruas da cidade animando todos os foliões. Com o passar do tempo, a festa na cidade foi perdendo sua força para o litoral e outras cidades a exemplo de Salvador e Recife. Os bailes de clubes resistiram um pouco mais, até o começo dos anos 2000, porém foram se perdendo ao tempo, não se sabe por quê.

No final do ano passado, a gestão municipal anunciou a realização do primeiro baile de carnaval promovido pelo poder público. Fato que deixou muitos caruaruenses animados, devido ao tempo que não havia uma festa assim, a alguns anos. Com a confirmação das atrações, o público ficava cada vez mais animado, fato que no dia do evento, a casa de festa estava lotada. Os ingressos variavam entre R$ 30,00 e R$ 140,00, onde as mesas custavam R$ 500,00 e os camarotes por uma bagatela de R$ 5.000,00. Mas o baile tinha um propósito maior, além de trazer alegria e animação para os foliões, o valor arrecadado seria doado para algumas instituições sem fins lucrativos, como acontece no baile da cidade de Bezerros e tantas outras pelo país. Mas faltando poucos dias antes do evento, o dinheiro seria destinado para outros fins, iria agora para o Fundo Municipal de Cultura, onde irá beneficiar as entidades que trabalham com música, voltada para jovens que aprendem a tocar instrumentos e vivem em situação de risco, ou seja, o valor ficará em casa.

Além dessa questão do destino da renda, outro ponto que chamou atenção, foi o aluguel da casa de show; diga-se de passagem sem licitação, onde a cifra foi de R$ 120.000,00, deixando muitas pessoas indignadas e surpresas com o valor. Mas, alguns pontos precisam ser levantados e explicados, a exemplo de quanto foi o lucro real do baile, pois até o momento a Fundação de Cultura e Turismo não tornou público, passados quase quinze dias do evento. Sabemos que a cidade está com um decreto de emergência, onde deixa o município numa situação de contratar serviços sem a necessidade de licitação, mas no caso do baile, não tem uma explicação para tal ação, fato é que o MP recomendou a prefeitura que abrisse licitação, onde só saberemos o resultado mais adiante.

A verdade é que o baile foi bonito, isso não se pode negar e que promete ficar no calendário das festas da cidade, porém os valores juntos, nos leva a uma interpelação, pois foram quase R$ 350.000,00 com as atrações, somados ao valor do aluguel da casa de show, chegamos perto dos R$ 500.000,00. Desta forma, algumas perguntas ficam martelando, mas as respostas dependem da consciência e visão de cada caruaruense, que viu a alguns dias, crianças numa escola do município terem em sua merenda tapurus; a estrutura de várias ruas da cidade, está crítica como vivenciamos nos dias de chuva que tivemos, e muitas vias ficaram alagadas, casas foram invadidas e a população fica indefesa, diante da falta de infraestrutura de alguns bairros, a exemplo da entrada do bairro Baraúnas.

Deixo claro, não tenho nada contra as festas, pelo contrário, sou totalmente a favor, visto que as mesmas trazem renda para o município a exemplo do São João, além de aquecer o comércio e rede hoteleira. Mas precisamos antes das festas, priorizar saúde, educação e segurança do povo caruaruense, e principalmente ter mais transparência com a gestão pública.



Oscar Mariano é pós-graduando em Ciência Política


Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid