Pular para o conteúdo principal

Severino Vitalino - "Do barro vieste, para o barro retornaste"

O Brasil perde o artesão Severino Vitalino, aos 78 anos. Ele esteve internado no Hospital que leva o nome de seu pai, Mestre Vitalino (HMV), em Caruaru, no Agreste de Pernambuco, após sofrer um infarto. Faleceu na madrugada de hoje.


Severino Pereira dos Santos, o Severino Vitalino, nasceu no sítio Campos-PE em 1940. Ainda criança se mudou com sua família para o Alto do Moura em Caruaru, onde viveu até hoje. 

Com o mestre Vitalino, Severino aprendeu a modelar o barro. Desde muito pequeno já ajudava seu pai a fazer as pecinhas de barro; até hoje faz questão de manter o estilo do pai. 


Com técnica apurada, molda no barro as obras que correram o mundo.

Esteve em plena atividade na antiga casa do seu pai no Alto do Moura hoje funciona a Casa Museu Mestre Vitalino. Severino era o responsável pelo local, onde também utiliza para comercializar suas peças. Lá ele era responsável por receber os visitantes e contar as histórias sobre seu pai, tarefa que dá muita satisfação.


Quando Severino Pereira dos Santos nasceu, em 1940, Caruaru era muito atrasada e distante de tudo. Faltava emprego, não tinha muito comércio e tampouco indústrias. Quase todos os habitantes dependiam da feira de Caruaru, onde os agricultores vendiam e trocavam o que colhiam e muitos balaios chegavam cheios de louças de barro para serem oferecidas à freguesia. Tudo em meio aos repentes, cordéis e banda de pífanos.


"Eu comecei em 1947, brincando, fazendo bolinho de barro. É assim que a gente começa. Em 1958, meu pai já me levava pra feira com minha arte. Cheguei a aprender toda a profissão que ele fez, todas as qualidades. São 108 peças que ele criou e eu trabalho em cima dos ensinamentos do Mestre Vitalino."



Além de Severino, netos e bisnetos de Vitalino também produzem peças de barro e dão sequência ao trabalho artesanal.  Elias Rodrigues dos Santos é neto do ceramista.

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid