Pular para o conteúdo principal

“Segurança depende de ordenamento urbano, e isso é papel da Prefeitura”, diz Lessa na Caruaru FM


Segurança pública e política foram os principais temas abordados pelo deputado estadual eleito Delegado Lessa (Progressistas) em entrevista concedida na manhã desta quarta-feira 23, no programa Jornal Vanguarda, apresentado pelo jornalista Wagner Gil na rádio Caruaru FM. Ele defendeu que o 4º Batalhão da Polícia Militar (4º BPM) necessita de mais investimentos para atender melhor à população e esclareceu que, do ponto de vista técnico, o equipamento não deve ficar exclusivo para um determinado município. “Há grupos de criminosos que atuam em diversas cidades, por isso a área de atuação da polícia tem de abranger uma determinada região”, explanou.

O deputado eleito ainda ressaltou a implementação do 1º Batalhão Integrado Especializado (1º Biesp) como um dos fatores fundamentais para a redução da violência verificada em Caruaru. Lessa também voltou a defender o porte de armas para a Guarda Municipal de Caruaru. “Os profissionais são muito qualificados, só precisam de melhores condições para atuarem ainda mais”, opinou.



Citando o artigo 144 da Constituição Federal – o qual dispõe que a segurança pública é dever do Estado, mas direito e responsabilidade de todos (o que inclui o poder municipal) –, Lessa pontuou que cabe à gestão do município investir mais em equipamentos de infraestrutura para beneficiar a população. “Segurança pública depende de ordenamento urbano, e isso é papel da Prefeitura”, destacou.

Falando sobre Política, o Delegado avaliou que a gestão municipal precisa apresentar mais claramente os motivos para as mudanças do secretariado, bem como é necessário oferecer mais atenção aos bairros periféricos. Quanto à gestão estadual, o Delegado pontuou que o governador tem investido em tópicos como equilíbrio fiscal, saúde, educação e segurança pública.

Lessa também salientou que o sentimento da população é de renovação política. “O recado das urnas no pleito do ano passado foi claro: o povo quer mudanças em todo o Brasil. Na Assembleia Legislativa, 24 dos 49 deputados serão novatos. Aqui em Caruaru, a minha eleição e a de Fernando Rodolfo, para deputado federal, mostra que as pessoas estão cansadas da velha política”, disse.

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos. A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores. Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas