Pular para o conteúdo principal

Saúde mental - por Estêvão Soares




“Cada um cuide, não somente dos seus interesses, mas também dos interesses dos outros.”  (Filipenses 2:4)

Em plena era pós-moderna e pós-industrial, era informacional, onde a mente e a informação tornam-se cada dia mais importantes nossa mente é desafiada a se manter sã. Olha que parece fácil, mas não é bem assim, principalmente quando se se têm diariamente que vestir, às vezes, vários eu’s, quando tratamos do eu em casa, eu no trabalho, eu na rua, eu com os amigos, eu na igreja, eu no ministério e tanto outros ambientes que circulamos diariamente e aprendemos a nos portar de acordo com as regras e objetivos de cada lugar.

Além disso, aquele trabalhador braçal da revolução industrial vai cada dia mais dando lugar ao trabalhador sedentário que passa o dia sentado em uma cadeira na frente de um computador e utiliza cada dia mais da sua mente para desenvolver suas tarefas.

Sendo assim, não é de estranhar que em um auditório de igreja tenha-se tantas pessoas acometidas de depressão, ansiedade, esquizofrenia, transtorno alimentar, transtorno bipolar, entre tantas outras doenças mentais.  Podemos até parafrasear: “Quem não tem problema mental que atire a primeira...”

Mas, o problema não está somente em ter uma doença mental, a grande questão está em aceitar que é necessário ter uma saúde mental sã. Muitas pessoas têm muitas dificuldades em aceitar que sua saúde mental não está perfeita. Na verdade, podemos até concordar que nossa cultura brasileira está mais para chamar de louco ou maluco alguém com problema mental do que trata-lo como deve ser.

A grande consequência que temos enfrentado é que cada dia mais recebemos notícias de suicídios e suicídios. Isso só revela o quanto à saúde mental é importante e o quanto cuidar dela é necessário.



Uma das características de Jesus que deve ser replicada em sua igreja é ser contra cultural. Isso implica em não seguimos os padrões dessa era, mas nos empenhar em cuidar da nossa saúde mental, pois dela dependemos para viver uma vida abundante. Vida abundante como Jesus prometeu no evangelho de João está relacionada a todas as áreas, emocional, espiritual e física. Jesus ama o homem por completo e o restaura por completo. O propósito de Deus também é uma vida emocionalmente saudável.

Desta forma, Rick Warren apresentou recentemente 3 maneiras para ter-se uma vida saudável no seu maior campo de batalha e patrimônio, sua mente.

O primeiro, não poderia ser diferente, colocar o seu foco em Jesus. Segundo Warren existe um ditado americano que diz: você se torna o que pensa. Partindo desse princípio, em casa ou no trabalho, se quer tornar-se igual a Jesus, se quer ter saúde mental saudável, preencha seus pensamentos com Ele. Como disse Jesus em Mateus 6.33, “Buscai em primeiro lugar o Reino de Deus...”

Segundo, pense no outro. Assim, como recomenda Paulo aos Filipenses, devemos pensar-nos outros, apesar da cultura pós-moderna, humanista, egoísta e hedonista em que vivemos dizer que você deve pensar em você, que você deve se valorizar, que o outro não importa, você tem que fazer a sua parte porque você é o melhor. É muito interessante como Jesus já ensinava e vivia o contrário, não pense em si mesmo, pense no outro, “aquele que quiser ser o primeiro, seja o servo de todos”, em outra passagem Ele diz: “se alguém lhe pedir pra andar uma milha, ande duas”. Portanto, Quando você pensa em Jesus, naturalmente pensará no outro, Ele é o maior exemplo disso.

Finalmente, pense na eternidade. O pastor recomenda que pensar nessa verdade nos faz ter esperança naquilo que Paulo escreveu aos Coríntios em sua primeira carta. “Olho nenhum viu, ouvido nenhum ouviu, mente nenhuma imaginou o que Deus preparou para aqueles que o amam";

Portanto, nesse tempo, não abra mão da saúde mental por vergonha ou o que seja não deixe o outro doente mentalmente se você pode ajuda-lo. Somos pressionados por resultado, lucro, crescimento, desafios, mas, isso tudo não deve ser conquistado à custa de nossa saúde mental. Concentre-se naquilo que realmente importa, segundo Rick, quando começa a se concentrar em verdades como essas todos os seus problemas parecem inferiores em comparação com a glória, alegria e o prazer das coisas que nos esperam na eternidade.

Lembre-se, sua mente é seu maior campo de batalha. A empresa, o negócio, sua casa, a rua, o desemprego, os relatórios, os resultados, as metas, não chegam ao páreo em comparação com os desafios e as batalhas da sua mente, por isso, ore, busquem ajuda, trabalhe, lutem, mas, não esqueça que a esperança de dias melhores é possível quando somos saudáveis mentalmente.

Estêvão Soares é bacharel em Administração. Escreve para ConTexto aos sábados

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…