Pular para o conteúdo principal

Resistência ou pirraça? - por Nelson Lima

Sempre fui encabulado com “moda”, pois estamos sempre copiando os outros, usando e fazendo o que os outros ditam, às vezes nem gostamos, mas passou na televisão então é da hora. E “moda” nos falares então, pega ligeiro que só coice de bacurim. Pra não citar todas, uma das últimas foi “sustentabilidade”, rapaz viralizou ligeirinho. Ôpa, já citei outra,“viralizou”.  


Mas, sustentabilidade  começou a aparecer em tudo que  era colocação verbal, tema até de muitos palestrantes nacionais. Ainda está em circulação, mas tem uma outra que vejo - tão antiga quanto “sustentabilidade”, que circula nas manifestações artísticas, guiçá no país inteiro. Me refiro à palavra “resistência”! 

Mas vamos logo rever o significado etimológico dessa palavra: Ato ou efeito de resistir. Força que se opõe a outra, que não cede a outra. Força que defende um organismo do desgaste de doença, cansaço, fome, etc. Aquilo que se opõe ao deslocamento de um corpo que se move. Capacidade de prolongar um determinado trabalho pelo maior tempo possível. Força, disposição para prosseguir. 

Observe que a palavra Força é o carro chefe da “resistência”. Logo, é só um jeito diferente de dizer a mesma coisa. Daí eu vejo os artistas fazendo uma “força” para não sei o quê! Uns forçam para que se tenha público, outros forçam para que os poderes públicos invistam mais, tem os que forçam para se manterem em determinado local e ainda os que forçam para que gostem do seu produto artístico. 

O que me levou a escrever esse texto foi uma entrevista no programa Encontro de Fátima Bernardes da segunda 14 p.p, onde entre outros estava Heloísa Périssê, atriz, humorista, dubladora, autora e roteirista brasileira, de vasta atuação no cenário artístico brasileiro. Ela divulgou seu espetáculo teatral “Lolocas”, que está no Teatro dos Quatro, Rio de Janeiro de sexta a domingo até o dia 24 de fevereiro.

No final ela bradou: Teatro é resistência! Sabe-se que Teatro por aquelas bandas tem público certeiro, daí pensei: tá resistindo a que? Ou seja, é mera moda. Tem “Resistência” que na verdade é “Pirraça”. Pirraça é: Fazer de propósito com o intuito de provocar, amolar, encher o saco.

Atribui-se ao comportamento proposital do indivíduo que não aceita a opinião contrária a sua, continuando a fazer o que ele acredita que é o correto ou apenas para provocar o outro. Mal criação, manha de forma exagerada, discordar gritando, etc... 
Já viu a seguinte expressão: Essa criança tá com birra!

Por esse Brasil afora tem muitos artistas “birrentos”

Nelson Lima é ator e poeta


Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid