Pular para o conteúdo principal

O contexto de Sem Aspas - por Amanda Rocha




Foi-me ofertado um incomensurável e irresistível convite por parte do idealizador e editor deste excelente veículo de comunicação, o jornalista e invejável poeta Jénerson Alves, para contribuir com a ConTexto semanalmente na coluna intitulada ‘Sem Aspas’ e fazer o que realizo com profunda satisfação: escrever, e escrever sobre literatura, política e/ou religião. Através desse canal vislumbro a interação entre essa singela escritora e você caro e estimado leitor, espero que juntos usufruamos da leitura de críticas ou mesmo textos de gêneros literários que por vezes surgem em minha mente e concebo como um doce presente de nosso Criador; ou quem sabe possamos debater assuntos relacionados a política local ou nacional, tema que desde minha infância instiga-me. Apeteço trazer-lhes informações, opiniões e incitar discussões. Ainda poderemos conversar sobre questões religiosas e sinto-me livre para fazê-lo neste ambiente uma vez que está entre as missões deste espaço tratar das ações de nosso Senhor.

Por certo, a ConTexto é uma exceção nesse mar de crise jornalística vivida em nosso país, afinal em épocas de 'Fake News' propagar a verdade tornou-se algo abstruso, ainda mais quando aportes ideológicos antagônicos exigem posição e que se abdique do princípio da imparcialidade jornalística. O resultado disso é a idiotização a qual determinados jornalistas submetem-se ao ocultar e, não poucas vezes, distorcer fatos; penso que esses deveriam ser tratados não mais como jornalistas, e sim como escritores de obras fictícias, e daquelas de péssima qualidade. Todavia, sobre esta temática atento para o fato de que desde o momento que passei a acompanhar a ConTexto percebo a presença de um jornalismo que cumpre eximiamente sua função, meus parabéns a Mylena Macêdo, Jénerson Alves e demais colaboradores.

Devo salientar que não ovaciono a utópica total imparcialidade ideológica, penso que tal postura seja uma ação praticamente impossível ao ser humano ou, digna meramente de quem não possui capacidade de analisar, compreender e posicionar-se, e isso não implica em esconder algum dado importante a você leitor com o intuito de conduzi-lo e manipula-lo, afinal seria duvidar de sua capacidade de pesquisa, mais que isso, uma afronta sem medidas a vosso intelecto.

Quanto a mim, saibam que tenho uma postura ideológica firme, seja a respeito das artes, da política ou da religião a qual apresentarei em nossas futuras postagens, também jamais negarei que objetivo convencer o nobre leitor a emiti-las como opiniões próprias, mas de igual modo certifico que não enveredarei pelo campo dos sofismas para alcançar meus objetivos, não penso que os fins justifiquem os meios; como cristã que sou, creio que basta conhecermos a Verdade e esta nos libertará. Assim, o primeiro livro que indicarei para leitura (pretendo fazê-lo semanalmente) é o Evangelho de João dos Apóstolos inserido na Bíblia Sagrada. Até a próxima quinta-feira e que Deus vos abençoe.

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio