Pular para o conteúdo principal

O contexto de Sem Aspas - por Amanda Rocha




Foi-me ofertado um incomensurável e irresistível convite por parte do idealizador e editor deste excelente veículo de comunicação, o jornalista e invejável poeta Jénerson Alves, para contribuir com a ConTexto semanalmente na coluna intitulada ‘Sem Aspas’ e fazer o que realizo com profunda satisfação: escrever, e escrever sobre literatura, política e/ou religião. Através desse canal vislumbro a interação entre essa singela escritora e você caro e estimado leitor, espero que juntos usufruamos da leitura de críticas ou mesmo textos de gêneros literários que por vezes surgem em minha mente e concebo como um doce presente de nosso Criador; ou quem sabe possamos debater assuntos relacionados a política local ou nacional, tema que desde minha infância instiga-me. Apeteço trazer-lhes informações, opiniões e incitar discussões. Ainda poderemos conversar sobre questões religiosas e sinto-me livre para fazê-lo neste ambiente uma vez que está entre as missões deste espaço tratar das ações de nosso Senhor.

Por certo, a ConTexto é uma exceção nesse mar de crise jornalística vivida em nosso país, afinal em épocas de 'Fake News' propagar a verdade tornou-se algo abstruso, ainda mais quando aportes ideológicos antagônicos exigem posição e que se abdique do princípio da imparcialidade jornalística. O resultado disso é a idiotização a qual determinados jornalistas submetem-se ao ocultar e, não poucas vezes, distorcer fatos; penso que esses deveriam ser tratados não mais como jornalistas, e sim como escritores de obras fictícias, e daquelas de péssima qualidade. Todavia, sobre esta temática atento para o fato de que desde o momento que passei a acompanhar a ConTexto percebo a presença de um jornalismo que cumpre eximiamente sua função, meus parabéns a Mylena Macêdo, Jénerson Alves e demais colaboradores.

Devo salientar que não ovaciono a utópica total imparcialidade ideológica, penso que tal postura seja uma ação praticamente impossível ao ser humano ou, digna meramente de quem não possui capacidade de analisar, compreender e posicionar-se, e isso não implica em esconder algum dado importante a você leitor com o intuito de conduzi-lo e manipula-lo, afinal seria duvidar de sua capacidade de pesquisa, mais que isso, uma afronta sem medidas a vosso intelecto.

Quanto a mim, saibam que tenho uma postura ideológica firme, seja a respeito das artes, da política ou da religião a qual apresentarei em nossas futuras postagens, também jamais negarei que objetivo convencer o nobre leitor a emiti-las como opiniões próprias, mas de igual modo certifico que não enveredarei pelo campo dos sofismas para alcançar meus objetivos, não penso que os fins justifiquem os meios; como cristã que sou, creio que basta conhecermos a Verdade e esta nos libertará. Assim, o primeiro livro que indicarei para leitura (pretendo fazê-lo semanalmente) é o Evangelho de João dos Apóstolos inserido na Bíblia Sagrada. Até a próxima quinta-feira e que Deus vos abençoe.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…