Pular para o conteúdo principal

Mãe do cantor Marcos Santos dorme no Senhor

Faleceu a diaconisa Erotides Alves dos Santos, de 91 anos. Ela sofreu uma parada cardíaca na tarde desta terça feira, 22, não resistindo e vindo a óbito. Deixou seu esposo viúvo, aos 94 anos de idade, além de filhos e netos.

Ela foi casada com o pastor Marcionilo Francisco dos Santos, formando um dos casais fundadores da Igreja Evangélica Congregacional Vale da Bênção Central. Eles formavam um dos casais mais antigos de Caruaru, tendo completado 73 anos de casados.

A diaconisa era mãe do cantor e compositor Marcos Santos, da banda Embaixadores de Sião, uma das bandas cristãs de maior relevância em todo o território nacional, devido ao caráter evangelístico de suas letras, conectadas com a realidade atual.

O corpo está sendo velado no Cemitério Parque dos Arcos, e a cerimônia às 16h desta quarta-feira 23.



Comentários

  1. Sempre amaremos a senhora irmã Erotides descanse no Senhor em breve a senhora ouvirá o som da trombeta. Pr Cristiano igreja videira em células.

    ResponderExcluir
  2. Meus sentimentos, a todos da Família, que Deus possa conforta neste momento tão difícil, que é a perca de um membro da família.

    ResponderExcluir
  3. Meus sinceros votos de pesar ao nosso amado irmão em Cristo Marcos Santos e demais membros que compõem sua família, pelo falecimento de sua Mamãe a diaconisa Erotides Santos, que Deus console os corações de todos os parentes e amigos neste momento tão difícil.

    ResponderExcluir
  4. Deus conforte toda a família. Ela era a base da família. A perca e a Saudade é grande. Saudade, vai com Deus.

    ResponderExcluir
  5. Nunca vou esquecer esse dia... Ficará na minha mente.23-1-2019 dia do meu aniversário.E o dia do sepultamento.Seu que a senhora está ao lado do pai.

    ResponderExcluir

Postar um comentário


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Solidariedade: grupo de voluntários distribui mais de 1.500 refeições em Caruaru

Em tempos de contágio do novo coronavírus, há outro sentimento sendo disseminado em meio à população: a solidariedade. A corrente do bem se espalha e as mãos que ajudam também são ajudadas pelas que recebem. Além da higienização do corpo, que é um dos protocolos das medidas sanitárias contra o covid-19, fazer o bem ao próximo ‘limpa a alma’ daqueles que percebem a condição humana de todos. A pesquisa ‘Tracking the Coronavírus’, realizada pela Ipsos entre 26 e 28 de março, mostrou que o Brasil está no topo do ranking dos países quanto à preocupação com as pessoas mais vulneráveis. 70% dos entrevistados no Brasil afirmaram temer pelos mais debilitados. Neste percentual, estão as missionárias Sabrina Carvalho e Sara Galdino, que moram em Caruaru, no Agreste pernambucano. Em meandros de março, elas iniciaram uma ação que, a princípio, parecia pontual e singela. “Quando as autoridades em saúde começaram a intensificar a necessidade de constante higienização das mãos, ficamos preocup