Pular para o conteúdo principal

I Festival de Teatro Infantil Prazeres Barbosa revela novos talentos

No domingo, 20, ocorreu a 1ª edição do Festival de Teatro Prazeres Barbosa, em Caruaru. O evento serviu para revelar novos nomes nas artes cênicas do município, além de abrir espaço para outras manifestações artísticas.

Durante o Festival, a atriz Mirelly Katarine, de 12 anos, apresentou um diálogo da Gata com a galinha, excerto do espetáculo Os Saltimbancos, com a música ‘História de uma gata’.

Em seguida, a cantora Maria Luiza, 10, fez uma belíssima interpretação acapella da música ‘Hallelujah’, na versão da cantora Gabriela Rocha.

O artista circense Yudi Hirakawa, 8, chamou a atenção do público devido à sua performance utilizando malabares, além do carisma para com a plateia.

Ainda durante a programação, o grupo Cultura e Arte apresentou uma adaptação do espetáculo ‘Captura do Saci’, baseado na célebre obra do escritor Monteiro Lobato, o Sítio do Picapau Amarelo. A trupe é formada pelos atores Joyce Annyeli, 11 (Tia Anastácia); Mirele Martins, 12 (Emília); Jadiel Ricardo, 11 (Saci-pererê); Gabriel de Araujo, 14 (Pedrinho); e Maria Clara, 12 (Narizinho), sob a direção do jovem Allison Silva, de 18 anos, que tem se destacado nas mais diversas linguagens artísticas no ambiente cultural caruaruense.

O festival contou ainda com a participação da atriz Luiza Victoria, de 12 anos, que interpretou o monólogo Criança, de sua autoria, no qual falou sobre o combate à violência contra a infância, propiciando um momento de reflexão na plateia acerca de um assunto tão relevante.

Posteriormente, a pequena Maria Julia, de apenas 4 anos, realizou uma belíssima apresentação da música ‘Digno de Louvor/Agnus Dei’, de Aline Barros, inserindo música e coreografia.

Por fim, a garota Luiza Victoria voltou ao palco, desta feita para interpretar a canção ‘Ouvi Dizer’, de Melim.

O Festival contou ainda com a participação especial da cantora Thayse Luck, que abrilhantou o evento interpretando canções infantis, propiciando um momento de muita alegria.

O evento também teve uma exposição de quadros de artistas locais, a exemplo de Angélica Santos, Thays Avelino e Luzimar Alves, entre outros.

A programação contou também com uma homenagem surpresa à professora Marinalda Santos, a qual tem relevantes serviços prestados à arte e à sociedade, no que diz respeito à ressocialização de crianças em situação de risco. Ela integrou o corpo de jurados, ao lado de Wirandéa Lima, Ingred Ribeiro, Maria Eugênisa e Angélica Santos.

Através das redes sociais, o ator Nerisvaldo Alves, idealizador do evento, registrou sua satisfação pela atividade. “Parabenizo a todos os participantes, ao mesmo em que agradeço pelo voto de confiança, estamos de parabéns pois tivemos belíssimas  apresentações e uma plateia maravilhosa. Fica neste o gostinho de quero mais. A todos, o nosso muito obrigado”, postou.


Confira algumas fotos do I Festival de Teatro Infantil Prazeres Barbosa:

A Gata, dOs Saltimbancos, com Mirelly Katarine

Exposição artística


A pequena cantora e dançarina Maria Júlia, de 04 aninhos


Yudi Hirakawa abrilhantou o evento 

Acapella, Maria Luisa interpreta 'Hallelujah'

Debate com diretor e atores dO Sítio do Picapau Amarelo

Momento de muita animação e música

O talento de Thayse Luck



Nerisvaldo Alves agradecendo à plateia


Todo o plantel de artistas e produção




Comentários

  1. Tarde maravilhosa e construtiva! Os artistas estão todos de parabéns!

    ResponderExcluir
  2. foi uma tarde maravilhosa já estou ansiosa para o próximo evento!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…