Pular para o conteúdo principal

Evangélicos promovem ação cidadã no sertão de Pernambuco

A senhora Dalila Costa tem 69 anos de idade. Ela veio passar uns dias na casa de parentes no município de Salgueiro, sertão central de Pernambuco – a mais de 500 quilômetros do Recife. Neste período, ficou sabendo de uma movimentação diferente no município. “Eu nunca havia visto uma atividade como esta. Então, decidi conhecer. Fiz uma consulta no médico, que mostrou que minha pressão estava alta e me receitou uns remédios. Agora, vou aproveitar e ficar ainda mais bonita e escovar meus cabelos”, conta, sorridente.

Ela é uma das 400 pessoas atendidas pelo projeto Fé em Ação, desenvolvido pela Igreja Congregacional Vale da Bênção. A ação social ofereceu gratuitamente serviços como corte de cabelo, assessoria jurídica, enfermagem, assistência social, consulta médica e emissão de documentos durante toda a terça-feira, dia 15. A proposta envolveu mais de 70 voluntários, vindos de cidades de Pernambuco, da Paraíba, da Bahia e até mesmo de outros países, como Guiné Bissau e Paquistão. Com o lema ‘Ele me deu vida’, a ideia é apresentar o amor cristão de forma prática, interferindo positivamente no cotidiano de comunidades carentes.

O objetivo do projeto sensibilizou profissionais de diversas áreas de atuação. Um deles é a enfermeira Nayara Sousa, que também é professora universitária. Mesmo morando em Caruaru-PE, ela decidiu viajar por mais de cinco horas (cerca de 300 quilômetros de distância) para utilizar seu talento profissional em prol do próximo. “Nas salas de aula, oriento meus alunos ao aspecto humanitário da profissão, e procuro apresentar este discurso na prática, rompendo as barreiras e indo além dos consultórios para atender a pessoas que têm o acesso difícil para determinados serviços de saúde”, testifica.

Semelhantemente, o médico Jorge Lima destaca a importância de participar de atividades assim. “Esta ação social não é um ato em si mesmo, mas representa um estilo de vida que se baseia na partilha dos conhecimentos e no serviço ao próximo. É muito gratificante participar de algo tão grandioso!”, exclama.

A ação, encabeçada pela Igreja, contou com o apoio da Secretaria de Defesa Social do estado de Pernambuco, bem como da Prefeitura do Município de Salgueiro e do deputado estadual eleito Delegado Lessa. De certa forma, representa o início das atividades da Igreja Congregacional Vale da Bênção na cidade sertaneja, que está implementando uma congregação no local.

Jovens fizeram apresentações artísticas sobre o Evangelho.

Populares receberam assessoria de advogados.

Serviços de saúde foram muito requisitados.

Crianças tiveram momentos de contação de histórias bíblicas e recreação.

Profissionais prestaram serviços de corte de cabelo.


O líder do trabalho local é o pastor Irineu Evangelista. Segundo ele, o maior desafio da comunidade religiosa é prosseguir promovendo o bem comum. “O povo de Salgueiro é bastante acolhedor e atencioso. Nosso intuito é servir a esta população atendendo ao convite do Senhor Jesus estabelecendo uma Igreja que se preocupe tanto com o bem-estar social quanto com o bem-estar espiritual dos cidadãos”, salienta.

Para o pastor Ismael Ornilo, da 2ª IEC Vale da Bênção, esta forma de atuação está em consonância com a missão da igreja, sob uma ótica neotestamentária. “Acredito que a fé sem obras é mortas, por isso o trabalho da igreja deve visar integralmente ao ser humano, estabelecendo serviços em prol do bem da comunidade”, declara.

E, pelo visto, a comunidade receberá muito bem os serviços que continuarão sendo prestados pela instituição religiosa naquele local. É como afirmou a dona-de-casa Maria Nascimento, 42, que visitou a ação social com seis filhos – cinco no braço e um no ventre: “Precisamos de ações assim direto”. E a nossa oração é que os trabalhos da igreja se desenvolvam ainda mais, para que você e seus filhos sonhem e vivam um futuro melhor, Dona Maria.  


Texto e fotos: Jénerson Alves

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…