Pular para o conteúdo principal

A Função Educativa dos Pais – por Manoel Nascimento

Infelizmente tem-se convencionado que a responsabilidade dos pais para com seus filhos limita-se apenas à provisão de recursos materiais tais como: Alimentação, escola, roupa, lazer ou quaisquer outras coisas que estejam no universo das coisas materiais. No entanto, a responsabilidade dos pais é muito mais abrangente, pois tem a ver basicamente com a educação dos filhos. Surge então a pergunta: O que é educação dos filhos? Poderemos responder a esta pergunta fazendo algumas afirmações:

Primeira. Educação não é apenas a instrução intelectual da criança através de escolas. A educação inclui o encaminhamento dos filhos na maneira de encaixar os valores da vida e o reconhecimento de que os filhos são personalidades e como tal devem ser tratados. Neste aspecto os pais são as únicas pessoas responsáveis diante de Deus pela educação dos filhos. Nos dias de hoje, percebemos que esta tarefa tem sido delegada à Igreja ou à própria escola. No entanto, são os pais responsáveis à luz da Palavra de Deus. O Senhor diz: “E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração; e as ensinarás a teus filhos, e delas falarás sentado em tua casa e andando pelo caminho, ao deitar-te e ao levantar-te” (Dt. 6:6-7). Na medida em que os pais chamarem a si esta responsabilidade, muitas dificuldades serão superadas.



Segunda. Educação dos filhos tem a ver com a consciência de que a relação mais importante que uma criança pode ter é exatamente com seus pais; vindo depois outras figuras como parentes, professores, conhecidos, etc. A relação com os pais é determinante porque são os pais o modelo significante, consequentemente, toda relação é marcante na vida dos filhos. Devemos, pois, como pais reconhecer esta enorme possibilidade de influenciar positivamente nossos filhos e com a graça de Deus fazer o máximo nesta área para o bem deles e acima de tudo para a glória de Deus.

Terceira. Educação dos filhos envolve o reconhecimento da individualidade de cada filho. Há muitos pais que, por falta de conhecimento desta realidade, perdem a bênção de desenvolver uma relação saudável com seus filhos. O reconhecimento da individualidade de cada filho vai resultar em vantagens para ambos; para pais e filhos. Em primeiro lugar, porque os pais vão servir como instrumentos nas mãos de Deus para ajudar na liberação das potencialidades dos seus filhos dentro de suas tendências, temperamentos, aptidões e aspirações. Em segundo lugar, para os filhos porque eles não serão o resultado das frustrações dos seus pais. Existem pais que procuram viver nos filhos aquilo que eles não conseguiram realizar. Daí sobrecarregam de tal maneira emocionalmente os filhos, que eles se sentem esmagados, quando não se tornam desorientados. Muitos problemas que os filhos não são propriamente deles; são dos seus pais projetados neles!

As formas de manifestação da educação
Existem basicamente duas formas:
A primeira forma é a educação verbal. Nesta forma de valores significa que os pais têm um conjunto de valores para serem transmitidos aos filhos. Valores que apontam para Deus, tais como: Amor, respeito, honestidade, fidelidade, confiança; e naturalmente valores que apontam para si mesmo e para o seu semelhante, o seu próximo. Foi exatamente por esta razão que o Senhor Jesus ensinou: “Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento. E o segundo semelhante a este é: ‘Amarás o teu próximo como a ti mesmo’” (Mt. 22:37-39). Pela educação verbal, os pais encaminham os filhos a estas dimensões básicas da vida: Deus, você e o próximo.

A segunda forma é a educação não verbal. Nesta forma, os pais ensinam pela influência, isto é, pelo que eles refletem, pelo seu caráter, pelo seu viver. Muitos conflitos são gerados exatamente aqui; porque muitos pais padronizam um tipo de comportamento para os filhos, em que eles mesmos não estão vivendo. Vamos ficar com estes dois referenciais: O que é a educação e as formas em que ela se manifesta. Não apenas este conhecimento intelectual, mas, e acima de tudo, a busca da presença de Deus para nos fortalecer, a fim de que esta função venha a ser desempenhada de tal maneira a trazer glória ao nome do Senhor Jesus Cristo.


Manoel Nascimento é pastor e psicólogo. Este texto faz parte do livro ‘A família no plano de Deus’, publicado em Caruaru-PE em 1993.

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid