Pular para o conteúdo principal

Que bicho de pé de goiaba é esse? – por Marisa Lobo

Como psicóloga REPUDIO veemente as chacotas que estão fazendo em torno do testemunho da Damares Alves, futura ministra dos direitos humanos, sobre o abuso sexual que ela sofreu na infância. É de assustar como as pessoas reagem ao desconhecido e à dor do outro, quando esse outro não comunga com suas ideias.

Damares Alves, futura ministra dos Direitos Humanos, foi abusada durante a infância.
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil


Estudei direitos humanos, para entender os discursos de defesa dos direitos individuais, coletivos, religiosos e só me decepcionei ao ter o entendimento de que no Brasil direitos humanos é extremamente seletivo, serve apenas as pautas que a - esquerda feministas e LGBTs - classificam como direitos.

Talvez Damares não tenha visto Jesus literalmente, talvez trate-se de uma analogia, figura de linguagem, licença poética, representação, de um "amigo imaginário" (não que Jesus seja imaginário), mas pode ter sido a forma que o inconsciente dela, através de seus mecanismos de defesa elaboraram a dor de ter sido abusada. Preciso desenhar para os "nobres intelectuais"?

O que me espanta é ver uma mídia que se apressa em julgar e condenar qualquer homem que ousar dizer umas gracinhas a qualquer mulher, que aceitam prontamente qualquer acusação de uma mulher contra um homem de direita (quando servem as suas pautas) ridicularizar a mensagem por detrás da analogia com o "JESUS e o pé de goiaba " do abuso sexual infantil, da pedofilia.

Se ela viu Jesus, ou não, se é fantasia da sua mente ou não, só ela e Deus podem dizer com certeza. O fato é que, é uma mensagem, uma estratégia que pode curar mulheres que sofrem por terem sido abusadas e para tantas crianças que neste momento passam por essa dor.

"Você vai conseguir superar", essa é a mensagem, há uma força interna que a impede -segundo ela de se matar- se essa força é Jesus para ela, qual o problema? Não seria intolerância religiosa? Desrespeito a fé do outro, que vocês tanto defendem? Mas espera aí, não é esse um direito proclamado por todos "o respeito a religião"? Acaso, temos que duvidar de seu testemunho? Ou de sua fé? com que direito? direitos humanos?

Quem nunca sofreu abuso não tem ideia da dor que causa na vida da vítima, homens e mulheres, o agravante e pouco discutido é que muitas crianças abusadas hoje, podem ser os pedófilos de amanhã. Quero dizer que o problema é muito maior que vocês irresponsáveis imaginam, não podemos mais, usar direitos humanos como bandeira ideológica para ofender quem não corresponde com nossas expectativas. Isso é cruel.

Ainda que você ou eu tenhamos alguma diferença com Damares, não concorde com tudo que ela diz, é cruel essa discriminação, essa intolerância e me sinto na obrigação de defendê-la, pois estou defendendo a criança que sofre. Nossas diferenças, não podem ser maiores que nossas lutas em pról do ser humano, seria desumano entendem?

Vamos aproveitar essa visibilidade. Crianças precisam urgente de políticas públicas sérias de combate a violência infantil em todas as esferas.

Temos que tratar esse assunto com respeito, dignidade e seriedade. Crianças tem sido negligenciadas, tratadas como objeto de prazer do adulto, quando esses tais "Defensores" dizem defende-las, é de forma seletiva, e a prova é este escárnio.

Sugiro que façamos um doce das goiabas desse pé, para o bem de milhares de crianças vítimas da pedofilia e abusos.

Quanto à ministra, vamos acompanhar o trabalho e criticar quando não atender nossas expectativas sim, um governo cresce quando fazemos críticas construtivas é natural e saudável, temos a obrigação com nosso país e com nossas crianças, isso é lutar verdadeiramente por direitos humanos.

Marisa Lobo é psicóloga, especialista em Direitos Humanos e autora de livros, como "Por que as pessoas Mentem?", "A Ideologia de Gênero na Educação" e "Famílias em Perigo".


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…