Pular para o conteúdo principal

O trabalho dos anjos no Natal de Jesus - por Gladir Cabral

Ao ler as narrativas bíblicas do Natal de Jesus, dá a impressão de haver, no mundo antigo, um trânsito intenso de anjos e seres celestiais caminhando entre os seres humanos. É impressão minha ou aquele tempo era afortunadamente pródigo de presenças angelicais?
 
Os anjos podiam surgir gloriosamente, como os que Isaías conheceu, ou ambiguamente, como o que foi visto pela mula de Balaão e ao mesmo tempo não foi visto pelo profeta (Nm 22: 27-31). Anjos podiam ser tão discretos que muitas vezes as pessoas nem sabiam que os estavam acolhendo em suas casas (Hb 13:2). Parece que os anjos frequentavam a vida cotidiana da igreja primitiva.
 
O escritor e pastor presbiteriano Frederick Buechner comenta que “de modo geral as pessoas enxergam apenas o que esperam ver. Os anjos são espíritos poderosos a quem Deus envia ao mundo para o bem das pessoas. Mas como não esperamos vê-los, não os vemos” (Beyond Words, p. 17-8).
 
Anjos são seres de linguagem, de acordo com o apóstolo Paulo (I Co 13:1). E muitos são poliglotas! São mensageiros que estão a serviço do Altíssimo. Um deles anunciou a Maria o nascimento do menino Jesus. Apareceu de modo contido, sem glórias celestiais, surgindo com uma mensagem de confirmação e regozijo: “Alegre-se, agraciada! O Senhor está com você”. Seguida de um cuidadoso: “Não temas”. O anjo tem nome, é uma singularidade, chama-se Gabriel. Conversa com Maria.
 
Quando Jesus nasceu, os anjos não foram enviados ao centro do poder, ao castelo de Herodes, onde havia tantos porta-vozes e mensageiros à disposição. Foram aos pastores nos campos, em Belém da Judeia, periferia do mundo. É que os anjos não conhecem preconceitos humanos, tudo o que sabem é que é preciso obedecer ao Senhor. Por isso vão até os pastores e os tomam como dignos de se tornarem também testemunhas e anunciadores do Menino.
 

E que mensagem os anjos anunciam aos pastores? Eles proclamam que em Belém acabara de nascer o Messias, o Salvador. Eles ensinam que a esperança é para ser anunciada e cantada. E cantam e louvam: “Glória a Deus nas alturas, e paz na Terra aos homens aos quais Ele concede sua graça” (Lc 2:14). Anjos são cantores do Reino que virá. E cantam juntos, em harmonia.
 
O louvor entoado pelos anjos revela dois focos que se complementam na história do Natal e na verdadeira adoração: a glória devida a Deus nas alturas e a paz tão necessária e bem-vinda entre os seres humanos, amados por Deus.
 
Em outro momento, os anjos surgem para alertar José e proteger a vida do menino Jesus. Assim como os magos, José também foi alertado em sonho de que o recém-nascido estava sob ameaça. Curioso isso: anjos visitam sonhos. Mais ainda, esse anjo que visitou José deu instruções claras sobre a urgência do momento, a rota de fuga, o tempo de exílio e o nome do perigo: Herodes (Mt 2:13). 
 
E o relato bíblico diz que o coro dos anjos que havia reverberado nos céus deu lugar ao grito das mães que perderam seus filhos por ordem de Herodes (Mt 2:16-8). Que situação difícil para os anjos, não poderem magicamente salvar todas as crianças. Anjos não são fadas. São servos. Naquele momento era preciso aguardar para que o Menino crescesse e derrubasse todos os impérios e potestades naquele dia, na cruz.

Imagem: Anjos anunciando o nascimento de Cristo ao pastores, 1639, por Govaert Flinck. Musée du Louvre, Paris. (Créditos: artbible.org)

Fonte: Ultimato

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…