Pular para o conteúdo principal

Historiador declara: "Caruaru não quer ficar apenas no passado"

"Não queremos ficar apenas no tempo pretérito, dizendo que tínhamos certos eventos e festas que hoje não acontecem mais". Com essas palavras, o historiador e museólogo Walmiré Dimeron sintetiza a necessidade de preservação da memória do município de Caruaru. 


Ele ainda destacou que Caruaru possui uma vocação cultural que o distingue de outros municípios. Ele citou elementos como o Alto do Moura e a existência de ícones do jornalismo e da literatura, a exemplo de Nelson Barbalho, Álvaro Lins e os irmãos Condé.

Porém, Dimeron lamentou a falta de valorização de equipamentos como a Biblioteca Municipal, que tem mais de 100 anos e ainda carece de uma sede. O historiador ainda criticou a mudança no formato de festas tradicionais de Caruaru. "Copiar festas prontas em um formato que só interessa a pouos é um desserviço. É preciso aproveitar esse cabedal para o turismo", pontuou. 

Festa do Comércio

Walmiré também recontou um pouco da história da Festa do Comércio, desde os anos 30 até a década de 1990. Ele ainda salientou a mostra sobre a festa, que está no Polo Caruaru. A exposição conta com elementos como o Papai Noel da Casa das Bicicletas, a Maçã do amor, a roda gigante e a Monga. "Nós temos a obrigação de valorizar e permitir que as novas gerações no mínimo tenham acesso a essas informações", expressou Walmiré Dimeron.

A entrevista foi concedida no programa No Foco da Notícia, apresentado pelo Delegado Lessa e pela jornalista Cláudia Guimarães no Caruaru no Face. Confira a íntegra do programa:




Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid