Pular para o conteúdo principal

Daniel Mastral lamenta suicídio do filho de 15 anos

Conferencista e autor dos livros Filho do Fogo – Volumes 1 e 2, Daniel Mastral usou seu canal no YouTube para lamentar a morte do filho, Mikhael Mastral, de 15 anos. O adolescente cometeu suicídio no dia 22 (sexta-feira) e foi sepultado no sábado (23). Mikhael se atirou de uma plataforma de trem e Daniel publicou um vídeo nesta terça-feira (25) falando sobre o caso. A mãe, Isabela Mastral, não teve forças para comparecer ao enterro.

Daniel Mastral lamentou a morte do filho, Mikhael, de 15 anos Foto: Reprodução



Mastral relembrou um episódio que abalou o filho no ano passado. Mikhael recebeu uma ligação de uma amiga se despedindo e avisando que tiraria a própria vida. A menina conseguiu ser salva pela mãe, mas o garoto se sentiu culpado e se cortou como forma de autopunição. Após uma passagem por um neuropsicólogo, ele foi diagnosticado com depressão e transtorno de personalidade. Em 2018, ele passou a se depreciar e achar que não conseguia corresponder às expectativas dos pais.

Ao longo do vídeo, Daniel Mastral contou um pouco mais sobre o filho e do apoio que ele e a esposa deram a ele. Mikhael Mastral deixou um diário todo escrito em inglês sobre como foi seu processo com a depressão. Daniel Mastral pretende lançá-lo como forma de auxiliar pais e pessoas que estejam enfrentando a mesma situação.
– Infelizmente, meu filho não teve forças. Ele achava que era um peso. Ele achava que estava atrapalhando minha vida. Ele achou que essa era a solução, como um gesto de amor dizendo que está me poupando do sofrimento. Ele não deixou nem um bilhete de despedida. Sei que, a cada dia da minha vida, vai ser um dia que estou mais próximo dele – lamentou.
Fonte: Pleno News

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Solidariedade: grupo de voluntários distribui mais de 1.500 refeições em Caruaru

Em tempos de contágio do novo coronavírus, há outro sentimento sendo disseminado em meio à população: a solidariedade. A corrente do bem se espalha e as mãos que ajudam também são ajudadas pelas que recebem. Além da higienização do corpo, que é um dos protocolos das medidas sanitárias contra o covid-19, fazer o bem ao próximo ‘limpa a alma’ daqueles que percebem a condição humana de todos. A pesquisa ‘Tracking the Coronavírus’, realizada pela Ipsos entre 26 e 28 de março, mostrou que o Brasil está no topo do ranking dos países quanto à preocupação com as pessoas mais vulneráveis. 70% dos entrevistados no Brasil afirmaram temer pelos mais debilitados. Neste percentual, estão as missionárias Sabrina Carvalho e Sara Galdino, que moram em Caruaru, no Agreste pernambucano. Em meandros de março, elas iniciaram uma ação que, a princípio, parecia pontual e singela. “Quando as autoridades em saúde começaram a intensificar a necessidade de constante higienização das mãos, ficamos preocup