Pular para o conteúdo principal

2º Festival Poesia Pra Cachorro acontece em Caruaru

No próximo sábado (15), Caruaru sediará a 2ª edição do Festival Poesia Pra Cachorro. O evento consiste em um verdadeiro sarau, com músicas e poesias. Poetas como Nerisvaldo Alves, Thays Avelino, Jefferson Moisés, Heitor Gonçalves, Pedro de Souza, Amanda Rocha e Jénerson Alves irão recitar versos e causos. Os músicos Carlos Alves e Lyvia Ramonna abrilhantarão a programação entoando músicas.

O festival também possui um caráter social. A entrada para o evento será um quilo de ração para gato ou cachorro. Todas as doações arrecadadas serão doadas para a União em Defesa e Respeito à Vida Animal (Uderva).

Para o declamador Jefferson Moisés, o evento consiste em uma dupla oportunidade de fazer o bem, tanto para a cultura popular quanto para os animais. “O objetivo maior do Festival Poesia Pra Cachorro é fazer essa mistura da nossa cultura, através da poesia contada em versos em muitos casos engraçadas, com a causa animal. Sabemos que há muitos cães e gatos abandonados. Então, participar deste evento é uma forma de ajudar os nossos amigos de quatro patas”, avalia.

O evento ocorrerá neste sábado, dia 15, a partir das 16h, no Teatro Prazeres Barbosa/Espaço Nerisvaldo Alves, que fica localizado na Rua Barreiros, 148, Caiucá, próximo à Escola Elisete Lopes, Caruaru-PE.


Entrevista | Jefferson Moisés
“Tenho sempre Nosso Criador do Céu e da Terra na mente e no coração”

Para aprofundar um pouco mais sobre o Festival, ConTexto conversou com o declamador Jefferson Moisés, que também falou acerca da sua relação entre a fé e a arte. Confira:



Fale um pouco sobre o Festival Poesia Pra Cachorro. Quais os objetivos do evento?
O festival Poesia Pra Cachorro deu início em 2017 depois de uma conversa entre amigos Poetas, com o intuito de ter um dia em que pudéssemos reunir os familiares, amigos e assim contar poesia, causos da nossa cultura Regional, literatura de Cordel, mas queríamos fazer esse festival voltado para algo social. Foi quando sugerimos a causa animal. Então, conversamos com representantes da União em Defesa  e Respeito a Vida Animal (Uderva) e decidimos  assim arrecadar ração para esses animais que estão mais necessitados. Com isso a entrada para o Festival é apenas 1kg de ração de gato ou cachorro, pois o Objetivo maior do Festival Poesia Pra Cachorro é fazer essa mistura da Nossa Cultura Através da Poesia contada em versos em muitos casos engraçadas e essa Causa Animal onde tem muitos cães e gatos abandonados, em lares temporários e assim poder ajudar os casos de maior urgência.

Como você se interessou pela Literatura de Cordel?
O desejo de aprender e escrever literatura de cordel surgiu também em 2017, foi quando eu comecei a declamar na casa do cordel, mas não queria só contar versos de outros Poetas e sim aprender a fazer Cordel, pois foi na infância escutando o Poeta Amazan que me identifiquei com esses versos rimados, mas acredito que na época faltou um incentivo, um conhecimento na sala de aula, alguém envolvido com a Cultura que pudesse dar um empurrão e assim ter conhecido mais cedo a Literatura de Cordel.  Lembrando que estou aprendendo a cada dia a Literatura de Cordel sempre pedindo ajuda e tirando dúvidas com outros grandes cordelistas aqui de Caruaru, como Nelson Lima que foi a pessoa que me deu essa oportunidade de declamar pela primeira vez na Casa do Cordel, e Jénerson Alves, que sempre me ajuda nas dúvidas que tenho.


Alguns poemas seus falam sobre Deus. Você é religioso? O que lhe inspira a falar sobre Deus?
Minha mãe era Testemunha de Jeová e por eu ser bem jovem sempre acompanhava ela nas reuniões, nos serviços de casa em casa como é de costume da organização, então sempre tive esse contato espiritual com as coisas do Criador do Céu e da Terra (é assim que gosto de chamar Deus). Desde jovem, sempre li a Bíblia Sagrada, pesquisava sobre religião. Hoje não frequento denominação religiosa, mas tenho sempre Nosso Criador do Céu e da Terra na mente e no coração, pois sou grato a Ele pela minha vida, pelo ar que respiro, por todos os dias dormir e acordar com saúde, com minha família ao meu lado, por saber viver nesse mundo tão perverso e não ter inimizade com ninguém e por ter fé em Suas palavras que estão na Bíblia Sagrada, no livro de Apocalipse 21:4, quando Ele diz que limpará dos nossos olhos toda lágrima, e não haverá mais morte, nem pranto, nem clamor e nem dor, porque essas coisas serão coisas do passado. Então acredito que não há tema melhor para poder demonstrar em poesias a nossa fé no Criador do Céu e da Terra.
  

Além de cordelista, você também é ator. De que forma você concilia as duas artes?
Já fiz algumas peças de teatro, nada profissional, como nunca tive vergonha e sempre fui bem comunicativo com as pessoas alguns diretores da cidade me convidaram pra participar de suas peças e esse lado teatral me ajuda na hora de contar as histórias poéticas e a interpretação em palco facilita o entendimento do público. Minha última peça foi a comédia Deu a Louca no Convento, em 2013, e hoje estou mais voltado para a Literatura de Cordel.


Quem tiver interesse em conhecer melhor seus trabalhos, como pode entrar em contato?
Pelo canal no Youtube, que se chama FalaMacho! Onde posto vídeos declamando  poesia e causos da nossa cultura, o Instagram: @jeffmoises10, pelo Faceboock: Jeferson Moisés e por e-mail: jefferson-moises@hotmail.com.

Comentários

  1. Que maravilha mim emocionei com esse depoimento .
    Quando o Dom de Deus agir no ser humano é maravilhoso ..
    Tudo Dom do nosso criador na vida desse ser humano tão maravilhoso que feus mim presentiou como filho aqui no terra .... acredito muito que vc vai longe ..... obrigada meu lindo pelo o exemplo de filho.....
    E obrigada aos colaboradores.de coração..👏👏🙏💐💐🎙️😻❤️

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…