Pular para o conteúdo principal

Os Santos e nós – por Sabryna Thais



Não é preciso ser católico para admirar a vida dos Santos ou para aprender com elas. Assim como na literatura as personagens nos ajudam em nossa formação, também os Santos, com suas vidas, podem nos ajudar de uma forma surpreendente.

A total entrega à vocação, o domínio do temperamento, como superaram o meio e as dificuldades. Tudo isso a nossa disposição! Então, por que não usufruir desse privilégio?

Comecemos com Santa Elisabeth da Trindade, pois foi ela mesmo quem, com sua vida, inspirou-me a isso.



Nascida, após 36 horas de trabalho de parto, em 18 de julho de 1880, no acampamento militar de Avor, perto de Bourges, onde seu pai era capitão, Maria Elisabeth Catez foi batizada quatro dias depois. Uma menina que desde muito nova apresentava um temperamento muito forte, uma colérica capaz de bater o pé, gritar e jogar coisas, quando contrariada.

Aos sete anos, viu seu pai falecer de um ataque cardíaco, episódio que marcou profundamente Elisabeth.

Ela era muito decidida, impetuosa, e sua mãe, católica fervorosa, preocupava-se muito com sua menina. Sua irmã era seu oposto e, com isso, dava uma equilibrada na casa. Possuindo um caráter violento e irascível, desde a mais tenra idade, aquela criança batalhava por dominar-se, com uma vontade de ferro. Sua irmã testemunha a esse respeito: “à força de lutar consigo mesma, chegou a uma doçura angelical. Lembro-me dela bem pequena com verdadeiros acessos de cólera, gritando e batendo os pés… Esta menina tão difícil transformou-se numa jovem de grande serenidade’’.

Aos sete anos, tendo como visita o Cônego Isidoro Angles, confessou-lhe ao ouvido: ‘’ Monsieur Angles, eu serei freira. Quero ser freira!’’. E esse desejo nunca a abandonou. Vivia sua vida, possuía um incrível talento musical, viajou por vários lugares da França com sua família, mas em seu interior travava uma luta. Uma luta entre sua personalidade e seu chamado à vocação. O padre Paulo Ricardo, em uma aula sobre a Santa, diz que ‘’Elisabeth era do tipo de pessoa que ou é Santa ou Demônio’’. É o tipo tudo ou nada, e ela escolheu ser tudo.

Aos vinte e um anos entrou, finalmente, para o Carmelo, depois de anos de recusa de sua mãe a deixa-la. No dia 9 de novembro, às cinco e quarenta e cinco da manhã, virou-se do lado direto, inclinou a cabeça para trás e sua figura se iluminou. Os olhos, fechados há vários dias, se abriram, parecendo vislumbrar algo por cima da cabeça de Madre Germana que, ajoelhada à sua cabeceira, rezava. Assim partiu para encontrar-se com “seus Três”.*
Encontrou-se com a Vida, a luz e o Amor.

Esse é um pequeno, bem pequeno, resumo da grandiosa vida que Santa Elisabeth viveu em seus vinte seis anos aqui na Terra. Vencendo seu temperamento difícil, superando a perda do pai, esperando por anos para realizar seu desejo de ser Carmelita. Vencendo a si mesma, pode alcançar a plenitude da vida.

“A meu ver a alma mais livre é aquela que mais esquece de si mesma. Se me perguntassem o segredo da felicidade, diria que consiste em não se preocupar mais consigo, desprendendo-o a todo momento. Eis uma boa maneira de fazer com que o orgulho morra. É como se o subjugássemos pela fome.’’ –Santa Elisabeth da Trindade

*Era assim que Santa Elisabeth referia-se a Santíssima Trindade.


Para saber mais, assistir: 



Sabryna Thais é professora

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…