Pular para o conteúdo principal

O Petismo verde e amarelo – por Amanda Rocha

O Partido dos Trabalhadores afundou o Brasil numa crise econômica exorbitante, usurpou do brasileiro até mesmo o desejo e a alegria de torcer pela seleção brasileira, de vestir verde e amarelo.

As vendas das camisas da seleção durante a copa do mundo de futebol foi um fiasco e causou prejuízo aos comerciantes, todavia, o advento das eleições e a ascensão de um candidato nacionalista fez retomar o desejo de lutar pela nação, fez ressurgir entre os brasileiros a esperança de que há uma saída da penumbra econômica que dominou o Brasil nos últimos anos em consequência da corrupção e fome de poder de um grupo que pousa de defensor dos pobres e minorias, quando de fato utiliza-se desses para concretização de seus nefastos anseios.



O efeito Bolsonaro trouxe benesses à economia antes mesmo de sua chegada ao Planalto, a exemplo, as camisas da seleção estocadas no prejuízo de muitos empresários retornaram às vitrines, algumas receberam uma estampa adicional do rosto do presidenciável e hoje vendem como água. A bandeira do Brasil passou a fazer parte do cotidiano, está nos carros, vidraças, janelas, bijuterias, acessórios, roupas etc.

Uma onda de amor a pátria contagiou de verde e amarelo os cenários urbanos enrijecidos pela ainda viva recessão, contudo, não satisfeitos com toda a destruição que causaram e incomodados com a transformação da consciência política dos brasileiros, o Partido das Trevas decidiu mais uma vez roubar essa alegria e confundir os eleitores trocando o tom forte do vermelho que faz menção ao regime totalitário que defendem, o comunismo, pelo verde amarelo representante de nossa amada pátria.

Precisamos resistir a mais esse ataque e não permitir que o PT roube a alegria do canarinho. Reafirmamos que nossa bandeira jamais será vermelha, não adianta tentar nos ludibriar. Sigamos em defesa do Brasil.

Amanda Rocha é professora

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid