Pular para o conteúdo principal

Espaço que homenageia o escritor Nelson Barbalho será inaugurado no Centro de Caruaru




No ano do centenário do escritor caruaruense Nelson Barbalho, a cidade ganha de presente um espaço em sua homenagem. Será na Praça Deputado Henrique Pinto, conhecida como “Rua da Matriz”, bem em frente a Pães & Delícias, empresa idealizadora do projeto. 

Desde fevereiro de 2018, os comerciantes do lado oposto da Igreja da Matriz discutem uma reforma de qualificação da calçada por se tratar de uma das vias mais movimentadas do centro de Caruaru e precisava de melhorias para mobilidade dos pedestres. O projeto foi desenvolvido pelo escritório Eleve Arquitetura e visa contemplar também o paisagismo e importância histórica do local. 

A calçada já possui uma árvore que era ponto de encontro de músicos desde a época de Nelson Barbalho. Tudo foi preservado conforme solicitado pelos idealizadores. A obra recebeu piso intertravado que facilita a mobilidade e acessibilidade dos pedestres e um banco de concreto com acabamento em madeira de 14 metros que favorece a organização do transito ao redor. O local será nomeado de Espaço Nelson Barbalho e é lá que ficará o grande presente para a cidade: uma estátua do escritor e compositor Nelson Barbalho em tamanho natural feita em cimento pelo artista plástico Caxiado. 


“A nossa proposta é homenagear o escritor e fazer com que as novas gerações conheçam e saibam da sua importância para a cultura da cidade e  presentear Caruaru com um novo ponto turístico bem no centro comercial, acessível a todos”, explica o empresário Eli James Laureano, da Pães & Delícias. 


O projeto teve a consultoria e pesquisa do historiador Walmiré Dimeron, do Instituto Histórico de Caruaru. Para ele, a escolha do local e a homenagem a Nelson Barbalho são mais que me merecidas. “A conhecida Rua da Matriz faz parte da história de Nelson Barbalho e esse reconhecimento público é muito importante. Além de que, é um exemplo, já que não vemos tantos projetos assim com a iniciativa privada sendo parceira da cultura”. 


O Espaço será inaugurado no próximo dia 25 de outubro, às 16h, com a apresentação de músicos e será aberto ao público. 


Sobre Nelson Barbalho 
Nascido em Caruaru, a 2 de junho de 1918, NELSON BARBALHO DE SIQUEIRA, autodidata, foi jornalista, historiador, pesquisador, lexicógrafo e compositor. Teve publicado seus primeiros artigos, em 1949, sob o pseudônimo de Cavalcanti do Norte, e foi assíduo colaborador de jornais caruaruenses como A Defesa, Jornal do Agreste e Vanguarda, além do Jornal do Commercio e Diário de Pernambuco, ambos da capital pernambucana. 

Como fiscal previdenciário pôde conhecer a quase totalidade dos municípios pernambucanos e teve acesso privilegiado a coleções documentais de inestimável valor para o resgate histórico de Pernambuco. Dessas jornadas ao longo de vários anos brotou a Cronologia Pernambucana, obra em trinta volumes, já tendo sido publicados vinte deles. Sua produção literária é de 110 livros, destes, 50 sobre Caruaru entre publicados e inéditos. O seu primeiro livro - Major Sinval - foi publicado em 1968. Reconhecido como historiador, possui também uma considerável produção musical, tendo nove composições gravadas por Luiz Gonzaga. Em 1957, compôs, em parceria com Onildo Almeida o “hino” do 1º centenário de Caruaru - Capital do Agreste - que foi gravada pelo “Rei do Baião”. E parceria com Gonzagão, compôs A Morte do Vaqueiro, um clássico nordestino, preferida do autor e um dos grandes sucessos de “Seu Lua”. Com o maestro Joaquim Augusto compôs, em 1959, a censurada Marcha da Petrobrás. Nelson Barbalho faleceu no Recife, em 22 de outubro de 1993, sendo sepultado na capital pernambucana. Seu corpo foi trasladado para Caruaru, em 2007, encerrando as comemorações do Sesquicentenário da Cidade.


Inauguração do Espaço Nelson Barbalho 
Data: 25.10.2018 às 16h
Local: Em frente a Pães & Delícias - Praça Deputado Henrique Pinto (Rua da Matriz), 66. Centro.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…