Pular para o conteúdo principal

Alepe: Proposta que altera estrutura da Polícia Civil é acatada em Segunda Discussão

Reunião Plenária
Bispo Ossésio foi contrário ao projeto.
Foto: Jarbas Aragão

Foi aprovada nesta quarta (31), em Segunda Discussão, proposição de autoria do Poder Executivo que cria o Departamento de Repressão ao Crime Organizado (Draco) na estrutura da Polícia Civil. O Projeto de Lei nº 2066/2018recebeu votos contrários dos deputados Antônio Moraes (PP), André Ferreira (PSC), Augusto César (PTB), Bispo Ossesio Silva (PRB), Priscila Krause (DEM) e Socorro Pimentel (PTB).

A matéria, que tramita em regime de urgência, extingue as delegacias de Polícia de Crimes contra a Administração e Serviços Públicos (Decasp) e de Crimes contra a Propriedade Imaterial (Deprim). A medida provocou protestos no Plenário, na tarde dessa terça (30), quando foi aprovada em Primeira Discussão. Nesta manhã, houve novas manifestações nas galerias.

Antes da votação da matéria, não houve pronunciamentos, mas, no tempo dedicado à Comunicação de Lideranças, Bispo Ossesio justificou seu posicionamento. “Não posso voltar atrás na análise que fiz ontem, mas, tendo relido o projeto, entendo que poderia ser melhor analisado por cada um de nós, prestando um maior esclarecimento à sociedade por meio de audiência pública”, observou.

O PL 2066 determina a abertura de duas delegacias especializadas no enfrentamento a organizações criminosas, além de incluir no novo departamento unidades já existentes de investigação de ilícitos cibernéticos e contra a ordem tributária. Na justificativa, o Governo afirma que a medida se assemelha a modelos de polícias de outros Estados, visando melhorar a integração entre os órgãos de segurança e “reforçar a capacidade institucional de repressão qualificada ao crime”.


Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid