Pular para o conteúdo principal

“A renovação na política é necessária, especialmente em âmbito estadual”, afirma analista político


Falta apenas um dia para as eleições. Neste pleito, os olhos do eleitor não devem estar voltados apenas para Brasília, mas também para o estado. Dependendo do resultado das urnas no próximo dia 07, a fotografia política do Agreste será modificada. Neste cenário, o ‘deputado estadual’ desponta como uma peça importante, cujas atribuições têm poder para mudar a vida dos cidadãos. 
Pode-se afirmar que os deputados estaduais possuem três funções básicas: legislar acerca de assuntos relacionados ao estado; fiscalizar a atuação do governador; e representar – ou seja, ser a ‘voz política’ – do povo do seu estado. 
Este ano, há muitos candidatos de Caruaru disputando uma vaga no Palácio Joaquim Nabuco, a saber: Delegado Lessa (Progressistas); Tony Gel (MDB); Zé Queiroz (PDT); Laura Gomes (PSB); Isaac Albuquerque (PMN); Silvio Nascimento (PSL); Ailza Trajano (PCdoB) e Edjailson da Caru Forró (Avante). A gestora municipal apoia a candidata Priscila Krause (DEM), do Recife. O que se percebe é que, tanto políticos tradicionais quanto novos quadros estão fazendo parte da disputa. E cabe ao leitor decidir o futuro através do voto.
"O eleitor deve levar a sério esse momento, consciente de que sua escolha política vai afetar sua vida de alguma maneira, para o bem ou para o mal" Arquimedes Fabrício

Para o professor e analista político Arquimedes Fabrício, essa grande quantidade de postulantes pode ser entendida como uma oportunidade para o eleitor optar por nomes que representam novas ideias e novas formas de fazer política. “A renovação na política é necessária, especialmente em âmbito estadual, porque há muitos deputados que fazem da política profissão e querem permanecer no cargo até que a morte os separe, mas é importante que surjam novas visões”, destaca, complementando que “existe um clamor da população pela renovação, isto é, tirar o ‘velho’ e buscar o ‘novo’”.

Porém, apenas o discurso de ‘novidade’ não basta. É preciso que o novo seja além das aparências, principalmente em um município historicamente governado pelos mesmos grupos políticos. Para tanto, é necessário que o eleitor tenha consciência do seu papel neste processo. O professor ainda observa que, infelizmente, muitos eleitores votam somente por “paixão”, entendendo o pleito como um ‘pastoril’, ou uma partida de futebol. De acordo com Arquimedes Fabrício, essa visão precisa ser modificada. “O eleitor deve conhecer de verdade seu candidato. Para isso, é preciso analisar sua biografia, ver se ele é honesto, ficha limpa, se tem serviços prestados à população”, salienta.

O analista também pontua a necessidade de o eleitor estar atento para as promessas mirabolantes. “É preciso verificar se as propostas dos candidatos são viáveis ou não. O eleitor deve levar a sério esse momento, consciente de que sua escolha política vai afetar sua vida de alguma maneira, para o bem ou para o mal”, conclui.

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos. A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores. Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.