Pular para o conteúdo principal

A despetização do PT – por Leonardo Mendes Júnior

O PT passa por um processo de “despetização” no segundo turno. Para ganhar uma eleição em que o antipetismo e a defesa de valores conservadores deixam Jair Bolsonaro cada dia mais perto do Palácio do Planalto, o Partido dos Trabalhadores pintou o vermelho de verde-amarelo, escondeu Lula e levou Haddad e Manuela à igreja para fazer campanha. No horário eleitoral, Haddad é apresentado como pai de família, neto de líder religioso, casado há 30 anos com a mesma mulher.



Gustavo Nogy aponta o efeito reverso que a despetização pode causar no eleitorado raiz do PT: "Com que cara, agora, todos os eleitores de esquerda apontarão dedos contra o ‘homem de bem’, contra os valores ridicularizados da família dita tradicional, da religião, dos bons costumes, que pautaram essa campanha?"

A ineficácia da estratégia vai além da percepção. É quantificável. A pesquisa Ibope divulgada ontem (15.10) revela que a rejeição a Fernando Haddad chegou a 47%, enquanto a de Bolsonaro está em 35%. Lembre-se que no primeiro turno era a aversão ao capitão que beirava os 50%.

O PT se diz disposto a alargar mais ainda a sua mutação. A flexibilização de programas e a revisão na taxação de fortunas, presente no plano de governo, estão na mesa para serem servidos em troca do apoio de partidos mais ao centro e mesmo à direita.

Engolir sapos também faz parte do cardápio. Como ouvir Cid Gomes, irmão de Ciro, dizer com todas as letras que “o PT vai perder feio porque fez muita besteira, aparelhou as repartições públicas e achar que era dono de um país” e ainda assim continuar atrás do apoio do PDT.

Talvez porque já tenha caído a ficha do que Jaques Wagner teve a coragem de verbalizar publicamente: seria melhor ter lançado Ciro Gomes. Reclamações contra a decisão por uma candidatura biônica própria? Encaminhar à Superintendência da Polícia Federal em Curitiba.

Leonardo Mendes Júnior é diretor de Redação da Gazeta do Povo


Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos. A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores. Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Recordação | Crianças se divertem e aprendem em EBF - por Fábio Santana

 Aconteceu e foi uma bênção de Deus a Escola Bíblica de Férias(EBF), da Congregação do Vale da Bênção do bairro Luiz Gonzaga em Caruaru em Julho de 2019. Foi tudo perfeito e muito organizado pela irmã Maria Marques e Deus abençoou de forma tremenda. " Deus nos abençoou tremendamente e fiquei muito feliz ao ver tantas crianças na Igreja sendo evangelizadas e os pais adorando ao Senhor" frisou a missionária Carla Mestre. Os jovens da Bandinha da 2 Igreja Evangélica Congregacional Vale da Benção do Kennedy alegraram os baixinhos. A irmã Josi Carvalho e a irmã Maria Marques ficaram na sala de oração intercedendo pela EBF. Uma boa recordação da Escola Bíblica de Férias( EBF) que aconteceu no mês de Julho de 2019. Colaboração: Fábio Santana.