Pular para o conteúdo principal

A despetização do PT – por Leonardo Mendes Júnior

O PT passa por um processo de “despetização” no segundo turno. Para ganhar uma eleição em que o antipetismo e a defesa de valores conservadores deixam Jair Bolsonaro cada dia mais perto do Palácio do Planalto, o Partido dos Trabalhadores pintou o vermelho de verde-amarelo, escondeu Lula e levou Haddad e Manuela à igreja para fazer campanha. No horário eleitoral, Haddad é apresentado como pai de família, neto de líder religioso, casado há 30 anos com a mesma mulher.



Gustavo Nogy aponta o efeito reverso que a despetização pode causar no eleitorado raiz do PT: "Com que cara, agora, todos os eleitores de esquerda apontarão dedos contra o ‘homem de bem’, contra os valores ridicularizados da família dita tradicional, da religião, dos bons costumes, que pautaram essa campanha?"

A ineficácia da estratégia vai além da percepção. É quantificável. A pesquisa Ibope divulgada ontem (15.10) revela que a rejeição a Fernando Haddad chegou a 47%, enquanto a de Bolsonaro está em 35%. Lembre-se que no primeiro turno era a aversão ao capitão que beirava os 50%.

O PT se diz disposto a alargar mais ainda a sua mutação. A flexibilização de programas e a revisão na taxação de fortunas, presente no plano de governo, estão na mesa para serem servidos em troca do apoio de partidos mais ao centro e mesmo à direita.

Engolir sapos também faz parte do cardápio. Como ouvir Cid Gomes, irmão de Ciro, dizer com todas as letras que “o PT vai perder feio porque fez muita besteira, aparelhou as repartições públicas e achar que era dono de um país” e ainda assim continuar atrás do apoio do PDT.

Talvez porque já tenha caído a ficha do que Jaques Wagner teve a coragem de verbalizar publicamente: seria melhor ter lançado Ciro Gomes. Reclamações contra a decisão por uma candidatura biônica própria? Encaminhar à Superintendência da Polícia Federal em Curitiba.

Leonardo Mendes Júnior é diretor de Redação da Gazeta do Povo


Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid