Pular para o conteúdo principal

A Bela e a Fera - por Jénerson Alves

A versão cinematográfica da Disney recontando o clássico ‘A Bela e a Fera’ tem sido sucesso de bilheterias. Estrelado por Emma Watson e Dan Stevens, o elenco conta com nomes de relevância, a exemplo de Kevin Kline, Luke Evans e Emma Thompson. Dirigido por Bill Condon, o longa narra a história da jovem que habita em uma simples aldeia da França e, após ter o pai capturado por uma fera, entrega sua vida em favor dele. Com o passar do tempo, percebe que a Fera não é má, porém um príncipe que fora enfeitiçado. O amor quebra a maldição e faz os dois viverem em paz.



Entre outras versões da história, destaca-se a da escritora francesa  Gabrielle-Suzanne Barbot de Gallon de Villeneuve. Mesmo sem dispor de muitas informações sobre ela, sabe-se que em 1740 ela publicou o livro ‘La jeune américaine’, que continha, entre outros contos, ‘A Bela e a Fera’. Porém, havia alguns trechos inapropriados para crianças. Para se ter uma ideia, a Fera é um príncipe que foi deixado pela mãe para ser criado por uma bruxa na floresta, devido à guerra. Ao crescer, o menino tornou-se bonito e atraente e a bruxa que o criou se apaixona por ele e tenta seduzi-lo.

Por incrível que pareça, pesquisas apontam que a história tem um cunho real. Em 1537, nasceu na Espanha um garoto com hipertricose – uma doença que deixa o corpo todo peludo. Por intempéries do destino, ele teria ido à corte francesa, onde adquiriu destaque semelhante ao de um “príncipe” e realizou articulações importantes para a coroa. Ao casar-se, conta-se que a noiva teria desmaiado quando o viu pela primeira vez. A hipertricose também é chamada de ‘Síndrome de Lobisomem’ e teria sido o motivo para o surgimento do mito do homem que se transforma em lobo.

Curiosamente, a enfermidade faz recordar um personagem bíblico. Gênesis 25:25 fala que Esaú, neto de Abraão, nasceu “ruivo e todo como uma veste cabeluda”. A narrativa aborda que Esaú foi traído pelo irmão, Jacó, o que gerou uma grande ira e ambos passaram muito tempo distantes um do outro. Apenas no capítulo 33 o ódio se encerra. O texto diz que Esaú correu ao encontro de Jacó, “abraçou-o; e lançou-se sobre o seu pescoço e beijou-o; e choraram” (verso 4).

Seja na narrativa judaico-cristã ou no clássico europeu, o amor – em diferentes manifestações – apresenta-se como a solução para conflitos. Em ‘A Bela e a Fera’, a protagonista consegue enxergar além das aparências e perceber a humanidade na ‘fera’. No caso de Esaú e Jacó, ambos reconheceram a própria humanidade passível de cometer erros e liberaram perdão, com cada um posteriormente seguindo seu caminho. Assim é a vida. Apenas com amor e perdão há a construção de sensibilidade no interior das pessoas.

Jénerson Alves é jornalista e poeta

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio