Pular para o conteúdo principal

A Bela e a Fera - por Jénerson Alves

A versão cinematográfica da Disney recontando o clássico ‘A Bela e a Fera’ tem sido sucesso de bilheterias. Estrelado por Emma Watson e Dan Stevens, o elenco conta com nomes de relevância, a exemplo de Kevin Kline, Luke Evans e Emma Thompson. Dirigido por Bill Condon, o longa narra a história da jovem que habita em uma simples aldeia da França e, após ter o pai capturado por uma fera, entrega sua vida em favor dele. Com o passar do tempo, percebe que a Fera não é má, porém um príncipe que fora enfeitiçado. O amor quebra a maldição e faz os dois viverem em paz.



Entre outras versões da história, destaca-se a da escritora francesa  Gabrielle-Suzanne Barbot de Gallon de Villeneuve. Mesmo sem dispor de muitas informações sobre ela, sabe-se que em 1740 ela publicou o livro ‘La jeune américaine’, que continha, entre outros contos, ‘A Bela e a Fera’. Porém, havia alguns trechos inapropriados para crianças. Para se ter uma ideia, a Fera é um príncipe que foi deixado pela mãe para ser criado por uma bruxa na floresta, devido à guerra. Ao crescer, o menino tornou-se bonito e atraente e a bruxa que o criou se apaixona por ele e tenta seduzi-lo.

Por incrível que pareça, pesquisas apontam que a história tem um cunho real. Em 1537, nasceu na Espanha um garoto com hipertricose – uma doença que deixa o corpo todo peludo. Por intempéries do destino, ele teria ido à corte francesa, onde adquiriu destaque semelhante ao de um “príncipe” e realizou articulações importantes para a coroa. Ao casar-se, conta-se que a noiva teria desmaiado quando o viu pela primeira vez. A hipertricose também é chamada de ‘Síndrome de Lobisomem’ e teria sido o motivo para o surgimento do mito do homem que se transforma em lobo.

Curiosamente, a enfermidade faz recordar um personagem bíblico. Gênesis 25:25 fala que Esaú, neto de Abraão, nasceu “ruivo e todo como uma veste cabeluda”. A narrativa aborda que Esaú foi traído pelo irmão, Jacó, o que gerou uma grande ira e ambos passaram muito tempo distantes um do outro. Apenas no capítulo 33 o ódio se encerra. O texto diz que Esaú correu ao encontro de Jacó, “abraçou-o; e lançou-se sobre o seu pescoço e beijou-o; e choraram” (verso 4).

Seja na narrativa judaico-cristã ou no clássico europeu, o amor – em diferentes manifestações – apresenta-se como a solução para conflitos. Em ‘A Bela e a Fera’, a protagonista consegue enxergar além das aparências e perceber a humanidade na ‘fera’. No caso de Esaú e Jacó, ambos reconheceram a própria humanidade passível de cometer erros e liberaram perdão, com cada um posteriormente seguindo seu caminho. Assim é a vida. Apenas com amor e perdão há a construção de sensibilidade no interior das pessoas.

Jénerson Alves é jornalista e poeta

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…