Pular para o conteúdo principal

Jovens promovem conexão espiritual em faculdades de Caruaru

Mais do que um lugar de aprendizado, a universidade pode ser um ambiente de conexão espiritual. É essa a proposta do Grupo de Conexão, que atua em faculdades de Caruaru, e tem como objetivo apresentar a pessoa de Jesus Cristo como modelo de vida.
Uma das responsáveis pelo grupo é a estudante Evelly Shayene Holanda Lima. Com 20 anos de idade, ela está no 7º período de Odontologia da Asces-Unita. Ela faz parte da Primeira Igreja Batista de Barra de Guabiraba – município que fica a quase 70 quilômetros de Caruaru – e tem o propósito de fazer o bem para outras pessoas, seguindo a mensagem e os exemplos de Jesus.
Nesta entrevista a ConTexto, a jovem relata um pouco das suas experiências com o Grupo de Conexão (GC), e apresenta um alerta: “Sem dúvida, as universidades são um dos lugares onde mais se encontram jovens carentes do amor do Pai”. Confira:



A partilha de experiências é uma característica do GC.


Muitos acreditam que a fé deve ficar de fora do ambiente acadêmico, mas você tem feito das universidades locais onde as pessoas podem compartilhar do aspecto espiritual. Como surgiu esta ideia?
Em Romanos 8:19 fala que a natureza anseia com grande expectativa a manifestação dos filhos de Deus, manifestar o reino de Deus não se trata de uma religião ou algo "segmentado" da nossa vida "secular", é dia a dia. O reino de Deus precisa ser estabelecido em todas as esferas da sociedade, desde a área da saúde, economia, artes, música, cultura e também na educação. Nós aprendemos a usar a geografia onde fomos colocados pra manifestar a glória de Deus e a "ideia" surge justamente no coração de Deus e colocado depois no nosso, foi uma conexão de ideias.


Como funciona o Grupo de Conexão?
O Grupo de Conexão, carinhosamente chamado de "GC" funciona no intuito de "reconectar" os que perderam ou estão perdendo a conexão com o próprio caminho, Jesus. Não fazemos o papel de Jesus, só nos colocamos à disposição pra Ele fazer o que quer fazer através de nós.
No GC participa gente de todas as religiões e ideologias, não restringimos pra nenhum grupo específico, é pregado a pessoa de Jesus e sua palavra, crua, porém simples e genuína. Cantamos louvores, oramos um pelos outros (a conexão no sentido horizontal também é estreitada) e interagimos com quebra-gelos e dinâmicas também.


Quais são os principais empecilhos a serem enfrentados para desenvolver este trabalho?
Graças a Deus, nós não tivemos "empecilhos" em relação a vetar ou atrapalhar a implantação. O GC na nossa universidade (Asces-Unita, Caruaru-Pernambuco), começou com em média 4 pessoas que se reuniam pra falar de Jesus, na proporção que foi crescendo nos direcionamos aos diretores e reitores da universidade pra explicar o que era o GC e pedimos permissão pra continuar com os encontros, graças a Deus tudo aconteceu muito bem.
Se há empecilho, diria que é o que é gerado no nosso coração as vezes, o desânimo, falta de vontade, frieza, falta de ousadia e por querer fazer muitas coisas com nossas próprias mãos, no nosso próprio tempo, mas, o Espírito Santo tem nos ajudado em tudo isso.

Grupo também leva mensagens positivas aos vestibulandos.


Você acha que, ao longo dos anos, a Igreja negligenciou o diálogo com as universidades?
Atualmente a igreja tem negligenciado bastante coisa, graças a Deus que hoje conseguimos avançar em mais alguma coisa, ao menos no âmbito educacional, mas ainda há muita coisa a ser feita. Tudo parte da consciência individual de quem Deus é pra você e quem você é em Deus, daí você entende o porquê veio pra terra, depois disso não se precisa de muito, seja na sua casa, no seu emprego, na sua faculdade ou na rua, você cumpre o IDE, sem precisar ser "missionário" se é que me entendem (risos). Fomos chamados pra ser, o fazer é consequência de quem somos nEle.


Evelyn é uma das responsáveis pelo projeto.

Você já consegue perceber frutos do Grupo de Conexão?
Passamos muito tempo querendo apressar o tempo da colheita até entender (de uma vez por todas) que é tarefa do Espírito Santo convencer. Mas sim, fomos convocados pra gerar frutos, por isso nossa maior preocupação está em permanecer "conectados" na videira e consequentemente os frutos vêm.
Temos relatos de pessoas que pela ação do Espírito Santo através do GC foram impactadas pelo amor de Jesus e vivenciaram experiências incríveis (não falo de emoção, sensação e arrepios) falo de mudança de vida, sem dúvida isso é gratificante. Mas creio que os maiores frutos estão sendo gerados em nós, dia após dia o Espírito Santo tem nos ensinado muito sobre o que é vida de intimidade, devoção, obediência, amor a Deus e ao próximo, amor pela obra, cumprir nosso chamado e levar Jesus aos sedentos (sem dúvida, as universidades são um dos lugares onde mais se encontram jovens carentes do amor do Pai).

Quem quiser conhecer melhor o Grupo, como pode interagir?
Vai ser incrível ter vocês conosco, hoje nos reunimos todas as terças-feiras às 12h30 na capela do Campus ll e todas as quintas-feiras às 20h de frente a capela do Campus ll da faculdade Asces-Unita. Pra honra e glória do nome de Deus, conseguimos expandir pra outra universidade, a Maurício de Nassau e tem sido incrível ver o agir de Deus lá também, eles se reúnem todas as terças-feiras às 19h.
Acompanhem também pelo nosso instagram @gcasces @gcnassau e em breve estaremos em outras universidades.

Adicionar legenda

Comentários

  1. Que Deus os conduza com temor ao Senhor ,Graça e misericórdia, e certamente o mais será acrescentado.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…