Pular para o conteúdo principal

Forrozeiro Sebastian Silva fará apresentação em Luanda


Em sua 13ª edição, a Semana do Brasil desembarca em Luanda trazendo cores, sabores e ritmos brasileiros com gostinho de novidade. Neste ano, a jornada cultural, idealizada para recriar uma atmosfera do lado de lá do Atlântico, trará o “Arraiá Bem Brasil” agregado à sua programação. No período de 8 a 15 de setembro, a capital angolana recebe eventos diversos que farão lembrar música, gastronomia e cinema brasileiros, sem esquecer a já tradicional rodada de negócios propiciada pelo Fórum Económico. Como acontece a cada edição, a Aebran (Associação de Empresários e Executivos Brasileiros em Agola) promoverá, durante uma semana, uma programação tipicamente brasileira em tons de verde e amarelo. A presidente da instituição, Arlete Holmes, explica a essência do evento. “A Semana do Brasil acontece à volta da celebração da data nacional brasileira - 7 de setembro - data da independência do país. Dentre os objetivos da associação figuram a promoção de negócios e a realização de eventos que divulguem e promovam a cultura brasileira” revelou.



Quem integra o Quinteto Sanfônico do Brasil é o Caruaruense Sebastian Silva que faz sua segunda turnê fora do Brasil em menos de dois meses. Sebastian é cantor, compositor, instrumentista e parceiros de artistas como o Maestro Mozart Vieira, “Estou muito feliz por poder representar minha terra em solo Africano e o melhor levando nosso forró para o mundo, em julho na Europa e agora na África” disse feliz o artista. Sebastian toca ao lado de sanfoneiros como: Targino Gondin, Marquinhos Café, Gel Barbosa e Renan Mendes. A participação do Quintento também estimulará um ato solidário que acontece todos os anos contribuindo com uma instituição filantrópica em Luanda que atende crianças.

As comemorações das tradicionais festas juninas em solo angolano este ano foram transferidas para o mês de setembro. De acordo com Luiz Grosso, o 2º Arraiá Bem Brasil é outro dos destaques da atividade. “O Arraiá abre a semana com o tom do Forró nordestino, tocado na sanfona com a apresentação do Quinteto Sanfónico do Brasil, que acompanha e é liderado por Targino Gondim”, declara.

O sanfoneiro Targino Gondim esteve presente no primeiro Arraiá Bem Brasil, realizado pela Aebran em 2017, ao lado do também nordestino Raimundo Sodré. Os dois fizeram uma festa animadíssima que ficou na memória dos brasileiros e visitantes de todas as nacionalidades, que ainda desfrutaram de comidas e música típicas durante mais de 8 horas. Como na primeira edição, o Arraiá será realizado na Fortaleza de São Miguel e mais uma vez contará com comes e bebes e decoração especial, tudo no clima das festas juninas do Nordeste brasileiro. Luiz Grosso espera promover a interação. “O evento como um todo vai procurar agregar na sua maioria os brasileiros que estão em Angola, interagindo com os angolanos e demais povos cá estabelecidos. Esperamos uma grande participação dos brasileiros em todos os eventos programados para a Semana Brasil”, comentou.

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos.

A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores.
Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.



Como ajudar? As doaç…

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas.

Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas geraçõ…

Solidariedade: grupo de voluntários distribui mais de 1.500 refeições em Caruaru

Em tempos de contágio do novo coronavírus, há outro sentimento sendo disseminado em meio à população: a solidariedade. A corrente do bem se espalha e as mãos que ajudam também são ajudadas pelas que recebem. Além da higienização do corpo, que é um dos protocolos das medidas sanitárias contra o covid-19, fazer o bem ao próximo ‘limpa a alma’ daqueles que percebem a condição humana de todos.

A pesquisa ‘Tracking the Coronavírus’, realizada pela Ipsos entre 26 e 28 de março, mostrou que o Brasil está no topo do ranking dos países quanto à preocupação com as pessoas mais vulneráveis. 70% dos entrevistados no Brasil afirmaram temer pelos mais debilitados.
Neste percentual, estão as missionárias Sabrina Carvalho e Sara Galdino, que moram em Caruaru, no Agreste pernambucano. Em meandros de março, elas iniciaram uma ação que, a princípio, parecia pontual e singela. “Quando as autoridades em saúde começaram a intensificar a necessidade de constante higienização das mãos, ficamos preocupadas com…