Pular para o conteúdo principal

Tema ‘Mulher macho? Não sinhô!’ provoca a discussão sobre papel da mulher cristã na comunidade - por Ray Santana /ACEV Brasil

No sertão da Paraíba, na Reserva Ecológica Verdes Pastos, localizada no município de São Mamede, 89 mulheres líderes de 16 denominações diferentes participaram da 1ª Edição do Encontro de Líderes Sertanejas, realizado do dia 17 ao dia 18 de agosto. As participantes vieram de comunidades urbanas e rurais, de 45 lugares diferentes.






A troca de experiências entre as participantes marcou o encontro com histórias de perseverança da proclamação do evangelho por mulheres que ainda enfrentam diariamente o preconceito e o machismo enraizado na região. Foi possível compartilhar as lutas ministeriais, na família e na comunidade enfrentadas por cada uma. Noelma Abílio Lopes, missionária em campos missionários de ciganos espera levar o que foi discutido no evento para as comunidades onde trabalha como forma de encorajar a transformação através do evangelho que destaca a importância do papel da mulher no seu contexto local. “Eu sei que ao chegar lá eu posso compartilhar essas experiências com elas, que podem ser motivadas a buscarem ser diferentes, a confiar mais em Deus e mais em si mesmas, saber que são capazes de ir além da vida que elas vivem hoje”, afirmou.

O propósito do encontro foi usar o ambiente de interação e descontração para intensificar a participação das mulheres e através disso promover o resgate da identidade, das emoções e dos sonhos da mulher sertaneja à luz da Bíblia, fazendo-as compreender o plano de Deus para cada uma delas, resgatando a beleza, sensibilidade, doçura e a sua valorização, como uma mulher forte, cheia de garra, mas acima de tudo obediente aos princípios cristão, como enfatizou a coordenadora do encontro, Flávia Pereira dos Santos.

Na programação, aconteceram rodas de conversas com a missionária Elizete Ryioko, da Igreja Aliança Internacional, a pastora Joana D'arc, da Igreja Nazareno e ex-delegada da mulher em Patos, e a missionária Elaine Araújo, da Igreja Independente Independente. Foi um momento de desabafo para as mulheres, onde puderam encontrar conforto e palavras de ânimo para as diversas situações colocadas em discussão. A psicóloga Francisca Klökner, de Londrina (PR), realizou uma palestra sobre o tema principal: 'Mulher macho? Não sinhô!', e o louvor regional foi ministrado pela missionária da ACEV Campina Grande – Catolé, Gleydice Belchior.

“Esse tema me chamou muito a atenção porque convida a mulher a se auto valorizar, a dar importância àquilo que o Senhor fala na Sua palavra, que somos cooperadoras do homem, ajudadora, esse é o nosso papel”, ressaltou a pastora da Igreja de Intermares, João Pessoa (PB), Rosângela Santos de Oliveira, com experiência na plantação de igrejas no sertão nordestino.

“Fica a certeza, a alegria e motivação de que o Encontro resultou em uma transformação de pensamento, externado na ânsia por novas atitudes de vidas restauradas e sonhos renovados”, afirmou Flávia. O Encontro aconteceu através da parceria entre a ACEV e a Tearfund, com o apoio da Comunidade Atos e da Reserva Ecológica Verdes Pastos.

Rodas de conversa ainda devem acontecer nas igrejas locais, abordando os temas presente no encontro, dessa vez contando com a participação dos homens nas discussões. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…