Pular para o conteúdo principal

Solucionando conflitos pessoais: o modelo de Jesus - por Ronaldo Lidório


Relações partidas e conflitos pessoais se apresentam como um dos grandes desafios humanos. Saber como agir e reagir em tais cenários requer graça, perdão, humildade e força. E tudo vem do Senhor.



Diversas reações se desenham em meio aos conflitos pessoais, sobretudo quando desembocam em críticas e promovem decepção. Alguns, quando ofendidos, retribuem na mesma ou maior proporção, pagando o mal com o mal. As vezes o fazem de forma beligerante e explícita, outras vezes encoberta ou até mesmo torneada por palavras espirituais. No fundo do coração o intento é que o outro, o ofensor, em alguma medida, sofra. Há também aqueles que se afastam o máximo possível do ofensor e, mesmo quando obrigados à indesejada convivência, mantém um claro distanciamento afetivo. Esses não traduzem a mágoa em ódio, mas em indiferença, matando o outro no coração. Em casos assim,  a mente humana repassa periodicamente os erros do ofensor, construindo uma amargura embutida que promulga a convivência sem perdão. Outros, ainda, partem para o confronto aberto, seja direta ou indiretamente, expondo o coração e expressando toda a tristeza e decepção que sentem. Buscam o alívio por meio de um implacável desabafo que visa a tornar o próprio coração mais leve, o que, para a decepção geral, frequentemente não acontece.

Eu o convido a refletir no modelo de Jesus após ser traído pelo amigo-discípulo Pedro, em um intrigante encontro nas areias de uma praia.

O relato se encontra em João 21. Jesus havia morrido e ressuscitado. Havia aparecido para seus amigos e discípulos e a Palavra nos diz que “tornou Jesus a manifestar-se aos discípulos” (v. 1). Algumas coisas deviam ser feitas antes de subir para o Pai e enviar o Espírito Santo. Uma delas era tratar com Pedro, que o negara publicamente três vezes. Justamente ele, o discípulo valente, parte do círculo menor de amigos, destaque de liderança espiritual, aquele que havia sido pessoalmente alertado sobre os desafios da lealdade e respondeu afirmando que jamais trairia o Mestre.

Pedro e amigos foram pescar quando Jesus apareceu, instruindo-os a lançar a rede à direita do barco. Obedecendo, pescaram grande quantidade de peixe. Um dos discípulos reconheceu que é Jesus quem lhes falava e, assim, Pedro rapidamente se lançou ao mar para encontra-lo. Jesus os aguardava na praia preparando o fogo para assar o peixe e terem uma boa refeição com peixe e pão. O convite foi simples e claro: “vinde, comei” (v. 12).

Jesus se encontrou com Pedro em um ambiente acolhedor, em uma roda de amigos e em meio a uma gostosa refeição. Era o momento ideal para tratar do conflito que se abateu entre o discípulo e seu Mestre, entre o pecador e o Messias, entre dois amigos. Pedro havia negado a Cristo três vezes de forma decepcionante.

Após terem comido, Jesus iniciou a conversa sem centraliza-la nas ações de Pedro, mas em seu coração. Talvez Pedro esperasse um confronto direto: “você pode me explicar o que aconteceu naquele dia?”. Ou uma dura admoestação: “eu não havia lhe alertado sobre o perigo do pecado?”. Ou ainda uma temida palavra pessoal: “pensei que éramos amigos – esperava mais de você”. Surpreendentemente a pergunta de Jesus foi outra: “Tu me amas?”. E Jesus a repete três vezes (v. 15-17).

“Tu me amas?” é uma pergunta pessoal, relacional e pastoral. Pessoal, pois é lançada sobre Pedro. Não trata genericamente dos discípulos, amigos ou igreja, mas de uma pessoa, Pedro. Não se refere aos movimentos do Reino ou desdobramentos públicos da atitude do discípulo. “Tu me amas?” simplesmente o trás para um círculo íntimo e pessoal de diálogo, pois quer tratar do seu coração. A pergunta é também relacional, pois não se trata somente de Pedro, mas da relação de Pedro com Jesus. E o impele a sondar seu coração sobre suas motivações e convicções mais profundas nesse relacionamento. O assunto não gira em torno das habilidades, posição ou influência de Pedro, mas da natureza de um relacionamento pessoal. Por fim, é também pastoral, pois tem uma clara finalidade de edificação. Jesus não intenta apenas passar a limpo sua relação com Pedro ou simplesmente encerrar um conflito. Ele deseja ver Pedro crescer em sua fé, sua vida e seu trabalho.

Sim, Jesus já havia ensinado que o crescimento espiritual se dá por meio da relação com o Pai, não pela religiosidade; da convicção pessoal, não do mero entendimento; do amor e não da lei. E aqui, entre a mensagem da ressurreição (Eu sou o Cristo!) e a grande comissão (anunciem o meu nome entre todas as nações!) Jesus faz a pergunta que define nossas vidas: “Tu me amas?”.

Perante a resposta positiva de Pedro (“Tu sabes que o amo”), Jesus o instrui: apascenta as minhas ovelhas. Nessa rápida e desconcertante conversa o Messias trata da identidade e vocação de Pedro, realinhando esses dois fundamentos da vida cristã: quem somos e o que ele nos chamou a fazer. Nossa identidade está fundamentada em um relacionamento (amar a Jesus), não em nossos acertos, erros ou reputação. É pura graça. E nossa vocação se define pelo compromisso em cumprir a sua vontade (cuidar daqueles a quem ele ama), não pela nossa habilidade, personalidade, posição ou influência.

Tal cenário aponta para algumas lições que, creio, podem ser aplicadas na solução de conflitos, quando somos ofendidos ou nos encontramos decepcionados.

1.       Jesus toma a iniciativa em buscar o seu ofensor.
É Jesus quem provê o momento, busca o reencontro e prepara o cenário necessário. Quando ofendidos, as vezes assumimos a postura do distanciamento justificado. Afinal, o ofensor é quem deve nos procurar, retratar-se, buscar o perdão. Não é isto que Jesus fez. Ele tomou a iniciativa de forma amorosa.

2.       Jesus cria um ambiente acolhedor para se encontrarem.
Cristo convida o discípulo pescador para um encontro na beira-mar, ao redor do fogo e em meio a uma gostosa refeição com peixe e pão.
Quando ofendidos, as vezes criamos um cenário intimidador ou que, ao menos, nos assegura alguma vantagem. Jesus fez o oposto, chamando Pedro a uma conversa entre amigos, em um ambiente informal, não propício ao simples confronto, mas ao profundo quebrantamento. Cristo não o lançou ao tribunal da censura, antes o convidou à roda da amizade.

3.       Jesus tem um intento que vai além do perdão.
A agenda de Jesus vai além do perdão, pois deseja ver Pedro amadurecido na fé e restaurado no ministério. Quando ofendidos, visamos a seguir até o limite do perdão, que já é, por natureza, um difícil limite. Jesus vai além, pois deseja que Pedro cresça, amadureça, não erre mais. E também que frutifique.

4.       Jesus o lembra de sua identidade e vocação.
O interesse de Cristo é Pedro, não apenas o que Pedro pode fazer. Dois marcantes lembretes de Jesus a Pedro: que ele é chamado a um relacionamento de amor e que, amando e seguindo o Mestre, é também convidado a trabalhar em seu Reino. “Tu me amas?” aponta para a identidade cristã, enquanto “Apascenta as minhas ovelhas” atesta nosso chamado à missão.

Revisemos o roteiro: Jesus toma a iniciativa buscando quem o ofendeu, cria um ambiente acolhedor para se encontrarem, tem um alvo de edificação que vai além do perdão e encoraja o ofensor à fé e à missão.

Que esse modelo de Cristo se reflita em nossas vidas, relacionamentos e busca por solução de conflitos, pois disse Jesus: “Novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amei, que também vos ameis uns aos outros. Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos: se tiverdes amor uns aos outros” (João 13: 34,35).

Ronaldo Lidóriocentral pabxip é missionário


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…