Pular para o conteúdo principal

120 anos de Primeira Igreja: Um pequeno grupo de fieis – por Ary Queiroz Jr.


Entre os anos de 1899 e 1901, Caruaru não contou, senão esporadicamente, com a presença de missionários. Kingston e Telford (outro obreiro da “Help for Brazil”) mantiveram correspondência com crentes caruaruenses e fizeram visitas pontuais, quase sempre sob forte oposição de turbamultas ensandecidas.

Uma carta de Telford de 11 de outubro de 1901 informou sobre uma visita de Kingston que lhe resultou em golpes de cassetetes, não vindo a morrer no ataque somente por haver conseguido fugir e se esconder na mata sob a noite escura. Telford ressaltou que um “homem atirou [em Kingston], mas a bala passou de longe”.



Na mesma carta, Telford narrou uma vinda sua a Caruaru, para ser recepcionado com semelhantes ameaças e má disposição por parte das autoridades em prover segurança, ao argumento de que o número de policias era reduzido e o presídio estava cheio. Nada novo debaixo do sol!

Por outro lado, todas as notícias da época davam conta do progresso do evangelho na cidade. Kingston escreveu no Boletim da missão de fevereiro de 1899 sobre o “NOSSO PEQUENO GRUPO DE FIEIS”, no qual se incluíam crentes humildes, mas cheios de entusiasmo e desejo de conhecer a Bíblia e pregá-la aos seus amigos e familiares.

Nesse Informativo, o missionário não se esqueceu de informar sobre um homem analfabeto que abriu sua casa para receber a visita de um jovem que lia as Escrituras para ele e sua família. Há menção também de outro senhor de uns quarenta anos de idade, pai de uma família numerosa, além de outro jovem que sofreu muita perseguição pela fé que abraçou. 

Outro crente humilde, chamado José dos Santos, foi um líder da pequena igreja que despontou na ausência dos missionários.

Em carta publicada em julho de 1901 no Boletim da missão, noticiou-se a respeito de “um número de pessoas interessadas na Bíblia” e relatou-se ainda que após um censo realizado na cidade, embora o nome “protestante” fosse odiado, “ALGUNS SE DECLARAM PROTESTANTES – são pessoas que nunca fizeram confissão pública de sua fé antes”.

Na carta de Telford antes referida, esse missionário cita alguns crentes pelo nome, a exemplo de um “jovem” chamado Pedro e um “jovem senhor” da “aldeia chamada Cedro” de nome José, o José dos Santos. Mencionou também uma “jovem professora” que terminou o noivado por causa da exigência do noivo para que ela “cortasse seus vínculos conosco e com os crentes”.

A carta de Telford termina com sua impressão sobre a obra de Deus em Caruaru: “tenho certeza que Deus está abençoando” .




Ary Queiroz Jr. é pastor da 1ª IEC de Caruaru. O texto é adaptado do livro "Caruaru Cem Anos de Luz", do Rev.Marcos Quaresma e da Profa. Dra. Joyce Clayton

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…