Pular para o conteúdo principal

120 anos de Primeira Igreja: Um pequeno grupo de fieis – por Ary Queiroz Jr.


Entre os anos de 1899 e 1901, Caruaru não contou, senão esporadicamente, com a presença de missionários. Kingston e Telford (outro obreiro da “Help for Brazil”) mantiveram correspondência com crentes caruaruenses e fizeram visitas pontuais, quase sempre sob forte oposição de turbamultas ensandecidas.

Uma carta de Telford de 11 de outubro de 1901 informou sobre uma visita de Kingston que lhe resultou em golpes de cassetetes, não vindo a morrer no ataque somente por haver conseguido fugir e se esconder na mata sob a noite escura. Telford ressaltou que um “homem atirou [em Kingston], mas a bala passou de longe”.



Na mesma carta, Telford narrou uma vinda sua a Caruaru, para ser recepcionado com semelhantes ameaças e má disposição por parte das autoridades em prover segurança, ao argumento de que o número de policias era reduzido e o presídio estava cheio. Nada novo debaixo do sol!

Por outro lado, todas as notícias da época davam conta do progresso do evangelho na cidade. Kingston escreveu no Boletim da missão de fevereiro de 1899 sobre o “NOSSO PEQUENO GRUPO DE FIEIS”, no qual se incluíam crentes humildes, mas cheios de entusiasmo e desejo de conhecer a Bíblia e pregá-la aos seus amigos e familiares.

Nesse Informativo, o missionário não se esqueceu de informar sobre um homem analfabeto que abriu sua casa para receber a visita de um jovem que lia as Escrituras para ele e sua família. Há menção também de outro senhor de uns quarenta anos de idade, pai de uma família numerosa, além de outro jovem que sofreu muita perseguição pela fé que abraçou. 

Outro crente humilde, chamado José dos Santos, foi um líder da pequena igreja que despontou na ausência dos missionários.

Em carta publicada em julho de 1901 no Boletim da missão, noticiou-se a respeito de “um número de pessoas interessadas na Bíblia” e relatou-se ainda que após um censo realizado na cidade, embora o nome “protestante” fosse odiado, “ALGUNS SE DECLARAM PROTESTANTES – são pessoas que nunca fizeram confissão pública de sua fé antes”.

Na carta de Telford antes referida, esse missionário cita alguns crentes pelo nome, a exemplo de um “jovem” chamado Pedro e um “jovem senhor” da “aldeia chamada Cedro” de nome José, o José dos Santos. Mencionou também uma “jovem professora” que terminou o noivado por causa da exigência do noivo para que ela “cortasse seus vínculos conosco e com os crentes”.

A carta de Telford termina com sua impressão sobre a obra de Deus em Caruaru: “tenho certeza que Deus está abençoando” .




Ary Queiroz Jr. é pastor da 1ª IEC de Caruaru. O texto é adaptado do livro "Caruaru Cem Anos de Luz", do Rev.Marcos Quaresma e da Profa. Dra. Joyce Clayton

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio