Pular para o conteúdo principal

120 anos de Primeira Igreja: José dos Santos, o mártir


As notícias do martírio de José dos Santos, ocorrido em 3 de novembro de 1901, foram relatadas em uma carta de Telford do dia 8 daquele mês . Telford havia chegado em Caruaru para nova visita na sexta-feira, dia 1. O sábado, dia 2, lhe causou perplexidade, porquanto era Dia de Finados e ele pode ver cemitérios “lotados de gente orando pelas almas de entes queridos”. Para não insinuar nenhum tipo de provocação, o missionário nem se aproximou daquilo que chamou de “cenas extraordinárias”. Preferiu fazer uma “caminhada até o morro que fica defronte à cidade” (o morro Bom Jesus?).



No domingo, dia 3 de novembro, por volta das sete horas, Telford foi visitar o irmão José, acompanhado de dois homens. Juntos, tomaram café, conversaram sobre a “maneira de trabalhar [na obra missionária]” e realizaram um culto doméstico. No culto, a porção lida incluiu as bem-aventuranças: “Bem-aventurados os que choram... Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça...”. “Como é que nós íamos saber que, em menos que três horas, o chefe daquela casa passaria pelas portas eternas para Aquele Reino?”, ponderou Telford após o episódio fatídico.

Após a visita, pelas nove horas, o missionário retornou “à cidade imediatamente”, onde aguardaria os irmãos do Cedro para o culto, inclusive o irmão José e sua esposa. Às onze horas, porém, tais irmãos ainda não haviam chegado, até que uma mulher entrou na sala cambaleando: “Mataram meu esposo! Mataram José!”. Outra jovem chegou ofegante e, no entanto, mais lúcida, pode dizer o que presenciou: “No caminho para o culto, num pequeno vale, alguns homens armados atacaram o grupo. O jovem conseguiu escapar, como também a mulher”, mas José escolheu o pior caminho de fuga, o mato, “e ali mesmo caiu, seu coração furado pela faca do assassino”.

Os assassinos fugiram. O corpo foi levado, em uma rede, ao presídio por um oficial e dois soldados para ser examinado. Telford acompanhou tudo. Um caixão foi alugado para o enterro que aconteceria no mesmo dia. Só havia cinco pessoas para o cortejo fúnebre, além de dois soldados e alguns homens que, ao longo do percurso, se sensibilizaram e ajudaram a carregar o caixão por longa distância. A liturgia fúnebre consistiu da leitura de parte de 1Coríntios 15, comentários do texto e oração.

Telford visitou a viúva no dia seguinte e pode constatar com alegria “que sua fé em Deus tem sido fortalecida”.

Os olhos da imprensa pernambucana se voltaram a Caruaru. Três dos verdadeiros assassinos foram presos, mas refletiu Telford que “alguém enviou estes homens... e, a não ser que o verdadeiro autor do crime seja julgado pouco adiantará”. O autor intelectual do homicídio de José dos Santos jamais foi punido por seu crime.

É patente, pois, a “dívida histórica” do Município com os protestantes em geral e, particularmente, com a primeira igreja evangélica da cidade. Entretanto, quais as “ações afirmativas”? Onde, os monumentos? Quando, as homenagens? Até nossos pleitos risíveis à Prefeitura, quanto à colocação de faixa de pedestres e liberação da margem direita da calçada para estacionamento dos nossos carros aos domingos, defronte ao templo, têm sido ignorados.

Por outro lado, não olvidamos o dito de um antigo defensor da fé, segundo o qual “o sangue dos mártires é a semente da igreja”!




Ary Queiroz Jr. é pastor da 1ª IEC de Caruaru. O texto é adaptado do livro "Caruaru Cem Anos de Luz", do Rev.Marcos Quaresma e da Profa. Dra. Joyce Clayton

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…