Pular para o conteúdo principal

1º Festival Pró-vida integrou arte e conscientização



Texto: Jénerson Alves
Fotos: Mylena Macêdo e Sabryna Thais


Um significativo momento de valorização da vida. Assim pode ser caracterizado o 1º Festival Pró-vida de Caruaru, realizado no domingo 19. Artistas de diversos segmentos culturais se uniram no propósito de dizer ‘não’ ao aborto e de enaltecer as diferentes fases do processo da existência humana.



O evento começou às 14h30, no Teatro Prazeres Barbosa/Espaço Nerisvaldo Alves. Abrindo a programação, os músicos Joanathan Richard e Carlos Firmino fizeram uma parceria histórica, pela primeira vez dividindo um palco. No repertório, músicas como ‘Utopia’, do Padre Zezinho, emocionaram a plateia.


Na sequência, o cordelista Pedro Poeta contou um pouco de sua história de vida. Ele contou que sua mãe recebeu muitas sugestões para abortá-lo, pois fora abandonada pelo companheiro após descobrir a gravidez. Em seguida, Pedro ainda declamou poemas autorais sobre o assunto.


Continuando a programação, as jovens Joseane e Maria Eduarda contaram depoimentos de vida sobre os impactos do aborto para a mulher. Atualmente, elas são atendidas pelo Centro de Recuperação Rosa de Saron, que acolhe mulheres em situação de risco.



O repentista Ednaldo Silva também participou do festival. Ao som da viola, ele improvisou estilos de cantoria abordando o assunto. Uma das estrofes que marcou a sua apresentação foi a seguinte:

“Me alegro vendo os guris
Pastorando ovelha mansa,

Pois enxergo a esperança
Do futuro do país,
Mas quem abre a boca e diz
Que o aborto é a saída,
Não passa de um homicida,
De um louco, ou um delinquente.
Venha lutar com a gente
Nesta luta pela vida!”



Dando seguimento ao evento, o multi artista Nerisvaldo Alves apresentou um breve monólogo. Depois, o artista circense Yudji Hirakawa, que tem apenas 08 anos de idade, encantou a plateia com suas performances envolvendo malabares.


A jovem Esther Mendes, de 18 anos, acompanhada pela mãe, também trouxe o seu testemunho de como optar pela vida é a melhor alternativa. Semelhantemente, a psicopedagoga Eugênisa Azevedo proferiu uma breve palestra apresentando argumentos contrários à prática do aborto.


O músico Carlos Alves, por sua vez, entoou canções populares de exaltação à vida, interagindo com a plateia através das suas melodias. A cantora Rosaura Muniz, presente ao evento, aproveitou para contar testemunhos familiares e se colocar em favor da causa.


Fechando a programação, o cantor e compositor Onildo Almeida – que completou 90 anos de idade no último dia 13 – discursou sobre a importância de movimentos desta natureza. “Existe um sem-número de razões para ser contra o aborto. Por isso, eventos como esse devem ganhar mais corpo, recebendo destaque pela imprensa, pelas escolas, igrejas e outras instituições”, disse, ainda encantando o público interpretando músicas como ‘Arrebatamento’ e ‘A Feira de Caruaru’ – ambas de sua lavra.

Durante todo o período do festival, o artista plástico Luzimar Alves expôs uma tela criada exclusivamente para o evento. “Com este quadro, pretendo mostrar que a balança da justiça está pendendo para o lado errado, ao considerar mais importante a vida dos ovos da tartaruga-marinha do que um embrião humano”, expressou. Ademais, a também artista plástica Wanessa Silva, do Recife, enviou a imagem de uma tela especialmente para o evento.



De acordo com uma das organizadoras do evento, a professora Amanda Rocha, o festival foi uma maneira de alertar a sociedade para esta temática, envolvendo as famílias através da cultura regional. “Caruaru é uma cidade referência em diversas áreas, e também será referência na luta contra o aborto”, concluiu.














Confira, abaixo, matéria da TV Asa Branca/Rede Globo sobre o Festival:



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…