Pular para o conteúdo principal

Santos Neves, um poeta esquecido - por Jénerson Alves


Quem gosta de literatura, sabe que a epopeia consiste em um extenso poema narrativo que faz referências a temas lendários, mitológicos ou históricos. Na Literatura Universal, textos como ‘Ilíada’ e ‘Odisseia’ do poeta grego Homero são os maiores representantes deste estilo. Em língua portuguesa, citamos ‘Os Lusíadas’ do poeta português classicista Luís Vaz de Camões. A historiografia literária brasileira registra ‘Caramuru’, de Frei Santa Rita Durão, e ‘O Uraguai’, de Basílio da Gama, como representantes deste estilo.



Distante do cânon literário brasileiro, há um poeta de verve espetacular, mas infelizmente pouco conhecido. Trata-se de Antônio José dos Santos Neves. Nascido em 1827 no Rio de Janeiro, ele teve uma grande atuação no ambiente literário do nosso país durante o século XIX.

Na sua obra literária, consta ter publicado a obra épica ‘Louros e Espinhos’, pela Livraria Popular de Azevedo Leite, no Rio de Janeiro, no ano de 1867, quando da guerra do Brasil contra o Paraguai.

Três anos depois, contudo, publicou o livro ‘Homenagem aos Heróis Brasileiros na Guerra do Paraguai’, pela Tipografia Universal de E. & H. Laemmert. A obra corrigia alguns erros tipográficos do trabalho anterior e expandia o estro acerca da peleja empenhada pelo Brasil contra o ditador de Assunção. O livro, de mais de 250 páginas, foi dividido em oito partes, tendo ainda um adendo com oito sonetos com a mesma temática.
Tanto no modo de narrar quanto na linguagem dos versos, Santos Neves apresenta um trato único com o idioma, de forma culta, mas sem uma falsa erudição. Isto pode ser verificado nas primeiras estrofes do Canto I, reproduzidas abaixo:

“Surgi, voluntários, dos ângulos da terra
Que tem por monarca D. Pedro Segundo!
Lá ‘stão vossos louros nos campos da guerra
Cingi-os, soldados, à face do mundo!

Cingi-os, soldados, que o vosso monarca,
Abrindo os seus braços também vos cingiu:
E o título d’honra, que os braços vos marca,
Brilhante horizonte além vos abriu!”

Além do lado patriota, ele era evangélico – na verdade, o primeiro poeta brasileiro pertencente a este segmento religioso que se tem notícia. Presbiteriano, contribuiu para a hinodia brasileira e foi um dos fundadores do jornal Imprensa Evangélica, em 1865. Entre os hinos compostos por ele, vale citar ‘Deslumbrante’, do qual reproduzimos a primeira estrofe:

“Se nos cega o sol ardente,
Quando visto em seu fulgor.
Quem contemplará Aquele
Que do sol é criador?
Patriarcas, nem profetas
O chegaram a avistar,
Nem Adão chegou a vê-lo,
Antes mesmo de pecar”.

Apesar de sua importância, poucos dados biográficos temos do poeta Antônio José dos Santos Neves. Sabemos, porém, que ele morreu no Rio de Janeiro, em 1874.

Nosso desejo é que pesquisadores, literatos, historiadores, professores e estudantes possam se debruçar mais sobre o legado de homens feito Santos Neves, e tantos outros, que contribuíram para a nossa literatura, mas ainda são carentes dos devidos préstimos.



Fonte: Blog do Paulo Nailson

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio

Sem Aspas | Felipe Neto, Álvares de Azevedo e Machado de Assis, qual deles presta um desserviço à nação? - por Amanda Rocha

  O célebre escritor alemão Johann Goethe, autor das obras Fausto (poema trágico) e de Os Sofrimentos do Jovem Werther (seu primeiro romance) escreveu que “O declínio da literatura indica o declínio de uma nação”. Compreenda-se que a formação acadêmica, moral, ética, política, filosófica perpassa a leitura das grandes obras literárias, haja vista que elas instigam o homem a refletir sobre sua própria realidade, sobre os dilemas que o assolam e sobre os valores e conceitos que devem se sobrepor aos conflitos. Hans Rookmaaker, holandês e excelente crítico da arte, diz em seu livro “A arte não precisa de justificativa” que “a arte tem um lugar complexo na sociedade. Ela cria as imagens significativas pelas quais são expressas coisas importantes e comuns. Por meio da imagem artística, a essência de uma sociedade torna-se uma propriedade e uma realidade comuns. Ela dá forma a essas coisas não só intelectualmente, mas também de modo que elas sejam absorvidas emocionalmente, em sentid