Pular para o conteúdo principal

Santos Neves, um poeta esquecido - por Jénerson Alves


Quem gosta de literatura, sabe que a epopeia consiste em um extenso poema narrativo que faz referências a temas lendários, mitológicos ou históricos. Na Literatura Universal, textos como ‘Ilíada’ e ‘Odisseia’ do poeta grego Homero são os maiores representantes deste estilo. Em língua portuguesa, citamos ‘Os Lusíadas’ do poeta português classicista Luís Vaz de Camões. A historiografia literária brasileira registra ‘Caramuru’, de Frei Santa Rita Durão, e ‘O Uraguai’, de Basílio da Gama, como representantes deste estilo.



Distante do cânon literário brasileiro, há um poeta de verve espetacular, mas infelizmente pouco conhecido. Trata-se de Antônio José dos Santos Neves. Nascido em 1827 no Rio de Janeiro, ele teve uma grande atuação no ambiente literário do nosso país durante o século XIX.

Na sua obra literária, consta ter publicado a obra épica ‘Louros e Espinhos’, pela Livraria Popular de Azevedo Leite, no Rio de Janeiro, no ano de 1867, quando da guerra do Brasil contra o Paraguai.

Três anos depois, contudo, publicou o livro ‘Homenagem aos Heróis Brasileiros na Guerra do Paraguai’, pela Tipografia Universal de E. & H. Laemmert. A obra corrigia alguns erros tipográficos do trabalho anterior e expandia o estro acerca da peleja empenhada pelo Brasil contra o ditador de Assunção. O livro, de mais de 250 páginas, foi dividido em oito partes, tendo ainda um adendo com oito sonetos com a mesma temática.
Tanto no modo de narrar quanto na linguagem dos versos, Santos Neves apresenta um trato único com o idioma, de forma culta, mas sem uma falsa erudição. Isto pode ser verificado nas primeiras estrofes do Canto I, reproduzidas abaixo:

“Surgi, voluntários, dos ângulos da terra
Que tem por monarca D. Pedro Segundo!
Lá ‘stão vossos louros nos campos da guerra
Cingi-os, soldados, à face do mundo!

Cingi-os, soldados, que o vosso monarca,
Abrindo os seus braços também vos cingiu:
E o título d’honra, que os braços vos marca,
Brilhante horizonte além vos abriu!”

Além do lado patriota, ele era evangélico – na verdade, o primeiro poeta brasileiro pertencente a este segmento religioso que se tem notícia. Presbiteriano, contribuiu para a hinodia brasileira e foi um dos fundadores do jornal Imprensa Evangélica, em 1865. Entre os hinos compostos por ele, vale citar ‘Deslumbrante’, do qual reproduzimos a primeira estrofe:

“Se nos cega o sol ardente,
Quando visto em seu fulgor.
Quem contemplará Aquele
Que do sol é criador?
Patriarcas, nem profetas
O chegaram a avistar,
Nem Adão chegou a vê-lo,
Antes mesmo de pecar”.

Apesar de sua importância, poucos dados biográficos temos do poeta Antônio José dos Santos Neves. Sabemos, porém, que ele morreu no Rio de Janeiro, em 1874.

Nosso desejo é que pesquisadores, literatos, historiadores, professores e estudantes possam se debruçar mais sobre o legado de homens feito Santos Neves, e tantos outros, que contribuíram para a nossa literatura, mas ainda são carentes dos devidos préstimos.



Fonte: Blog do Paulo Nailson

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos.

A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores.
Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.



Como ajudar? As doaç…

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas.

Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas geraçõ…

Estímulo à leitura através da produção literária

Dentre os ofícios do professor, encontra-se o de conduzir os alunos ao universo das artes; ao professor de língua portuguesa, cujo objeto de estudo é a palavra, abordar a arte literária é fundante, nesse intuito, os professores da Escola de Referência em Ensino Médio Professor Lisboa, localizada no bairro da Cohab I, em Caruaru — Pernambucano promovem bimestralmente saraus literários com o foco no despertar da leitura e produção escrita de seus alunos. 



Anualmente, a escola realiza o Concurso de Redação Professora Fernanda Freitas (esse nome é homenagem póstuma a uma ex professora); o concurso elenca diversos gêneros textuais dentre literários e argumentativos; este ano, em sua quarta edição e com o tema “Pelos caminhos da leitura: descobertas do eu e do mundo” os alunos debruçar-se-ão nos gêneros: conto, crônica, dissertação-argumentativa, carta e/ou poesia.
Ademais do concurso, na manhã de premiação dos primeiros colocados em cada categoria, ocorre concomitantemente a publicação da An…