Pular para o conteúdo principal

Mudar é preciso – por Carlos Bregantim

Um dos temas mais comuns nestes ambientes, digo, ambientes virtuais, mas, também, em tantos outros ambientes em todos os segmentos da sociedade é MUDANÇAS.

Mudar é preciso.

No entanto, mudanças requerem procedimentos, requerem alterações na dinâmica diária, nas rotinas, isto é, requer mudança no que acontece quase que no automático da vida.

A vida é um conjunto de pequenos procedimentos, alguns invisíveis, automáticos, que determinam o rumo do dia e da vida.

Mudanças graves requerem graves decisões, graves escolhas, graves conversas, tensão, investimentos, tempo e perseverança, muita perseverança.

A primeira mudança antes das mudanças graves e significativas é a mudança no pensamento.

A mudança no pensar é o embrião das grandes mudanças que determinam novas dimensões pra vida.

Preciso primeiro pensar em mudar o que penso, pois, é a partir do que penso que construo os caminhos pelos quais tenho caminhado.

O meu pensar está diretamente ligado às minhas crenças, meus valores ou, minhas crenças e valores determinam o que penso e é aí neste ambiente onde precisam acontecer as primeiras mudanças.

A mudança no pensar requer uma viagem pra dentro de si mesmo, de mim mesmo e, quanto mais profunda for esta viagem, quanto mais minuciosa e quanto mais lentes forem usadas pra fazer as avaliações corretas, melhores serão os resultados.

As mais significativas mudanças acontecem a partir do que penso de mim mesmo, de como me vejo, do que e quanto sei de mim mesmo.

As mais extraordinárias mudanças acontecem a partir dos recursos que carrego dentro de mim mesmo e como os uso em meu favor.

Ninguém muda pra valer se não mudar o pensar e sobretudo, mudar os pensamentos que são responsáveis pelas paralisias que imperam a expansão da vida.

Bora mudar e mudar pra melhor.



Carlos Bregantim é escritor, autor do livro 'Bora pra vida'

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Por Dentro do Polo | Pernambuco volta a ser o maior produtor de Jeans do Brasil – por Jorge Xavier

O Brasil produziu 341 milhões de peças jeans em 2019. Desse total, o polo produtivo de Pernambuco sustentou 17% do volume. Com algo em torno de 60 milhões de peças no ano, o estado é o maior polo de jeans do país, segundo o iemi - Inteligência de Mercado. Ultrapassou, assim, regiões como norte do Paraná e Santa Catarina. São Paulo é o maior centro comercial, mas, não de produção.Em Pernambuco, a produção está concentrada sobretudo entre Toritama e Caruaru. O valor da produção de peças jeans está estimado em R$ 14,4 bilhões, que corresponde a 9,5% do total nacional da produção textil no ano passado, apontou Marcelo Prado, diretor do leme, que participou de webinar da Santista sobre o futuro do consumo com a covid19. Já o varejo de jeans movimentou R$ 25,3 bilhões, disse Prado. A receita corresponde a 11% do consumo nacional de vestuário, calculado pelo lemi em R$ 231,3 bilhões, com a venda de 6,3 bilhões de peças. Em sua apresentação, Prado mostrou a evolução do mercado nacio