Pular para o conteúdo principal

Mostra exibirá fotografias vencedoras do Prêmio Expocom

“Fotojornalismo é uma forma da qual podemos analisar, mostrar e até mesmo denunciar situações corriqueiras do dia a dia”. É assim que o estudante de Jornalismo Matheus Antunes define o poder do fotojornalismo para a sociedade. Ele é um dos ganhadores do Prêmio Expocom, recebido pelo Centro Universitário Asces-Unita, na modalidade ‘Produção em Fotojornalismo’. A premiação ocorreu no sábado 07, na Universidade do Estado da Bahia (Uneb), em Juazeiro-BA, integrando a programação do XX Congresso de Ciências da Comunicação na Regional Nordeste. “A partir do fotojornalismo, podemos protestar por nossos direitos e pelo direito de outras pessoas. Aí se encontra o amor por esta área”, complementa Anthunes.

As fotografias vencedoras ainda são inéditas para o grande público, pois o que se pretende é exibi-las na terceira edição da mostra Novos Olhares, que deverá ocorrer a partir da segunda quinzena de setembro em Caruaru. Antes disso, as fotos concorrerão a premiação no Expocom nacional, previsto para ocorrer em Joinville-SC, no início do mês de setembro.

O professor Diogenes Barbosa, orientador do trabalho, destaca que o diferencial da obra é a visão crítica para com a realidade. “Em termos pedagógicos, deixamos clara a necessidade de fazer com que o aluno compreenda a ida a uma atividade prática sob uma perspectiva reflexiva, que a fotografia não seja somente pelo melhor ângulo, pelo melhor enquadramento, pela melhor composição, mas que seja feito um movimento de provocar o público a pensar sobre as imagens”, pontuou Diogenes.

Vale salientar que o trabalho foi realizado no Quilombo de Castainho em Garanhuns. O objetivo dos estudantes foi retratar aspectos de superação de adversidades presentes naquela comunidade tradicional.

Os frutos dessa experiência já são percebidos, tanto pelo corpo docente quanto pelos discentes. “Foi um trabalho em conjunto (professor e alunos) com vários obstáculos, mas que para a turma significou muito”, revela a estudante Laís Milena.

Alunos representarão Caruaru em Joinville-SC no mês de setembro.
Foto: Divulgação
Ela ainda destaca a participação da equipe no Intercom. “Foi a primeira experiência em um grande evento da comunicação, e conviver com representantes de faculdades de todo o Nordeste engrandeceu nosso aprendizado”, pontua a aluna.

“Quero destacar a força que o nosso jovem curso já possui. Concorremos com três universidades federais. E vencemos. Teremos a honra de representar Caruaru e o Nordeste, lá em Joinville”, explana Matheus Antunes.

Além deles, a equipe vencedora teve como integrantes os alunos Pedro Hierro, Giovanna Santos,  Natália Rarine e Iale Figueira. A coordenadora do curso de Jornalismo da Asces-Unita é Christiane Bôa Viagem.


Saiba mais:



Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos.

A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores.
Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.



Como ajudar? As doaç…

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas.

Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas geraçõ…

Solidariedade: grupo de voluntários distribui mais de 1.500 refeições em Caruaru

Em tempos de contágio do novo coronavírus, há outro sentimento sendo disseminado em meio à população: a solidariedade. A corrente do bem se espalha e as mãos que ajudam também são ajudadas pelas que recebem. Além da higienização do corpo, que é um dos protocolos das medidas sanitárias contra o covid-19, fazer o bem ao próximo ‘limpa a alma’ daqueles que percebem a condição humana de todos.

A pesquisa ‘Tracking the Coronavírus’, realizada pela Ipsos entre 26 e 28 de março, mostrou que o Brasil está no topo do ranking dos países quanto à preocupação com as pessoas mais vulneráveis. 70% dos entrevistados no Brasil afirmaram temer pelos mais debilitados.
Neste percentual, estão as missionárias Sabrina Carvalho e Sara Galdino, que moram em Caruaru, no Agreste pernambucano. Em meandros de março, elas iniciaram uma ação que, a princípio, parecia pontual e singela. “Quando as autoridades em saúde começaram a intensificar a necessidade de constante higienização das mãos, ficamos preocupadas com…