Pular para o conteúdo principal

Jesus Cristo é o alicerce da sociedade ocidental - por Jénerson Alves

O Sepultamento de Cristo (Caravaggio)


Pensar na história é, de certa forma, um exercício autobiográfico. Os fatos construtores de uma sociedade relacionam-se com a perspectiva que temos de nós mesmos. Não estamos onde estamos por acaso, nem o mundo começou hoje. Embora essas observações possam parecer, para alguns, óbvias ou até pueris, tornam-se fundamentais para a contemporaneidade. Afinal de contas, uma das características da pós-modernidade é a ausência de percepção do tempo como linear e progressivo, mas fragmentado. Com isso, muitas pessoas agem e vivem como se todo o arcabouço da história da humanidade pudesse ser lançado no lixo, enquanto o que vale é somente o “agora”.

Dito isto, é possível adentrar no assunto-chave deste texto, o qual é a importância de Jesus para a civilização ocidental. O ensaístas e historiador J. C. Guimarães pontua: “Jesus está imbricado até o cerne na própria noção de civilização e compreensão de mundo da sociedade ocidental, o que apenas confirma que ninguém influenciou tanto, direta e indiretamente, os destinos individuais e coletivos da humanidade”. Até a contagem do tempo em “antes” e “depois” de Cristo assinala sua importância. Querendo ou não, crentes, céticos e ateus situam-se no tempo tendo como referência o nascimento do Carpinteiro de Nazaré.

Do ponto de vista histórico, a existência de Jesus é apresentada para além dos relatos dos Evangelhos, nos trabalhos do historiador judeu Flavio Josefo e em fontes romanas como de Tácito e Suetônio. Convém salientar, contudo, que os textos bíblicos são considerados fontes confiáveis por autoridades como o príncipe dos arqueólogos do século 20, William Foxwell Albright.

Observada a realidade do Jesus histórico, convém pontuar a compreensão de Jesus Cristo como Deus. Ao contrário do que afirmam alguns críticos, o entendimento da Divindade não nasceu tardiamente no Concílio de Nicéia, mas consiste na essência da Igreja cristã. Ele mesmo roga para si este reconhecimento, o que fez Chesterton afirmar que por causa disso Jesus seria um lunático ou, de fato, Deus. Descartando a hipótese de loucura no Nazareno, o escritor inglês declara que há, em Jesus, simultaneamente, uma marca humana e outra sobre-humana. “Sócrates, o mais sábio dos homens, sabe que não sabe nada. Um lunático pode considerar-se a própria onisciência, e um tolo pode falar como se fosse onisciente. Mas Cristo é onisciente em outro sentido: ele não apenas sabe, mas sabe que sabe”, compara Chesterton.

É graças à influência de Jesus Cristo que temos obras como a cantata ‘Jesus Alegria dos Homens’, de Johann Sebastian Bach, livros como ‘Paraíso Perdido’, de John Milton, ou telas de Caravaggio, Michelangelo e DaVinci, só para citar alguns exemplos. Até mesmo poemas do anticristão Algernon Charles Swinburne só foram compostos por causa das palavras de Jesus Cristo.

Nos últimos tempos, vê-se severas afrontas aos pilares da sociedade ocidental. É bem verdade que essa “guerra” não é atual, desenrola-se de forma mais contundente desde o século XIX e, nos últimos anos, tem atingido proporções incalculáveis.

No livro ‘A Invasão Vertical dos Bárbaros’, publicado originalmente em 1967, o filósofo Mário Ferreira dos Santos denuncia o solapamento dos fundamentos da cultura ocidental através de sutis e ativos elementos corruptores. Entre os elementos apresentados, está a valorização de tudo quanto em nós firme a animalidade, caracterizada entre outros fatores pela exploração sobre a sensualidade e desprezo à inteligência. Com isso, a visão de mundo das pessoas não fica apenas míope, mas ciclópica, e as argumentações se limitam à mera repetições de chavões.

Diante do cenário atual, a maior expressão de coragem é defender as bases de nossa civilização para garantir nosso ciclo cultural, enfrentar os bárbaros destruidores da cultura, fortalecendo tudo o quanto temos de positivo e impedindo o desenvolvimento do negativo. E a matéria-prima para esta luta deve ser o amor por tudo o que foi construído até agora tendo como alicerce a pessoa e a mensagem do Senhor Jesus.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…