Pular para o conteúdo principal

Elementos construtivos de um relacionamento conjugal – por Manoel Nascimento

Como é normal, todos partem para o casamento com sonhos, ideais de uma vida feliz para sempre! No entanto, com o passar dos dias, meses e anos, começam a enfrentar a dura realidade da descoberta do outro com seus defeitos, manias, e até mesmo neuroses de estimação. Ao enfrentar esta dura realidade, os sonhos se desabafam e as fantasias se transformam em desilusões! Que fazer? Providenciar a separação? Deixar-se vencer? Perder a esperança de uma restauração? Absolutamente, não! Aliás, jamais devemos nos curvar diante de uma realidade sem que tenhamos tentado conscientemente todas as saídas e soluções. Que fatores podem se tornar construtivos para melhorar, curar, restaurar o relacionamento conjugal?



Um primeiro fator construtivo para melhorar o relacionamento conjugal tem a ver com o crescimento emocional em conscientizar-se de que pessoa alguma pode satisfazer a todas as necessidades de outrem. É verdade que na qualidade de seres humanos possuímos necessidades psicológicas de atenção, estima, valorização, respeito e amor. Tanto o marido quanto a mulher devem tomar consciência da existência destas necessidades e na medida do possível buscar satisfazê-las mutuamente. No entanto, ficar no isolamento ou no pedestal esperando que o outro satisfaça a todas as suas necessidades, nada mais é do que uma atitude infantil, egoística, presentes numa “criança grande”. Não espere que apenas o outro satisfaça as suas necessidades, vá ao seu encontro e expresse o amor em palavras e atitudes. Faça a sua parte. A Bíblia diz que “o amor não busca seus próprios interesses”.

Um segundo fator construtivo para melhorar o relacionamento conjugal tem a ver com o reconhecimento de que ao invés de esperar que nossas necessidades sejam satisfeitas, devemos buscar satisfazer a do outro. Na medida em que crescemos emocionalmente, tornamo-nos menos exigentes, duros, prepotentes, egoístas, e mais prontos, interessados e sensíveis em relação às necessidades do outro. Ao invés de perguntar: Como posso ter minhas necessidades satisfeitas no meu casamento? Deve-se perguntar: Quanto de amor posso expressar ao satisfazer as necessidades da pessoa com quem me casei? Uma fórmula salutar para evitar frustrações ou decepções em relação ao cônjuge deve ser esta: “Não espere muito das pessoas à sua volta; quer sejam parentes, filhos ou seu próprio cônjuge. Tome a iniciativa de amar, fazer o bem, sem uma expectativa de recompensa”. Na medida que cada um, como cônjuge, marido ou mulher, tornar esta fórmula numa realidade a nível de experiência pessoal de vivência, então, muitas dificuldades vão ser sanadas no relacionamento a dois. Se tratar de casais cristãos, uma vida controlada, submissa ao Espírito Santo, vai refletir o amor de Deus, pois o Espírito Santo derrama o amor de Deus em nossos corações. Este amor é o amor ágape, é o amor para além, que independe do valor do objeto amado.

Um terceiro fator construtivo para melhorar o relacionamento conjugal diz respeito à coragem de assumir a culpa dos próprios erros, ao invés de lançá-los sobre o outro. Quando uma pessoa não assume a sua própria culpa, tende a transferi-la para outras pessoas, para a sociedade, para a família ou para o próprio cônjuge. Quem não assume sua própria culpa busca inevitavelmente, um “bode expiatório”, isto é, alguém para levar a culpa em seu lugar. A Palavra de Deus nos mostra que um dos meios de recebermos a misericórdia divina, é reconhecermos nossa própria culpa. “Pela misericórdia, e pela verdade se expia a culpa, e pelo temor do Senhor os homens evitam o mal” (Prov. 16:6). A verdade a respeito de si mesmo, gera misericórdia e mais expiação de culpa. Todavia, enquanto não reconhecemos nossa própria culpa diante de Deus, do próximo e nós mesmos, nosso sofrimento vai aumentando em escala crescente. A maturidade começa dentro de nós mesmos quando cessamos de culpar os outros, racionalizar, e aceitamos a responsabilidade dos nossos próprios erros e buscamos uma mudança real de dentro para fora.

Um quarto fator construtivo para melhorar o relacionamento conjugal consiste em abrir espaço para uma comunicação honesta e franca com o outro. É possível falar a verdade com o outro em amor. “Falar a verdade em amor é uma solução melhor do que colocar a verdade para fora, de modo que venha a ferir”. Na Palavra de Deus há princípios os mais diversos, a respeito da comunicação, no entanto, permanece o fator de que a verdade deve ser sempre em amor. “Pelo que deixai a mentira, e falai a verdade cada um com o seu próximo, pois somos membros uns dos outros” (Ef. 4:25). A mentira afasta, a verdade nos aproxima. O Senhor Jesus foi bastante claro a este respeito: “Seja, porém, o vosso falar: Sim, sim; Não, não; pois o que passa daí, vem do maligno” (Mt. 5:37).

Graças a Deus que existem fatores construtivos para melhorar o relacionamento conjugal, na medida em que houver a disposição de marido ou mulher em vivenciá-los em sua experiência pessoal. Esses fatores dizem respeito ao crescimento emocional, à busca de satisfazer as necessidades do outro, à coragem em assumir seus próprios erros e à sensibilidade em abrir espaço para uma comunicação verdadeira em amor.

Manoel Nascimento é pastor e psicólogo. Este é um trecho do livro ‘A família no plano de Deus’, publicado em Caruaru-PE em 1993

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Casa dos Pobres São Francisco de Assis precisa de ajuda

Com a pandemia do novo coronavírus, a Casa dos Pobres São Francisco de Assis, em Caruaru-PE, precisa de ajuda. A Casa, que atende a 77 idosos, está seguindo as recomendações das autoridades sobre a contaminação do vírus. Além da preocupação com a doença, já que todos os moradores do lugar fazem parte do grupo de risco, existe outra preocupação: a dos recursos financeiros para manter os trabalhos.

A instituição é privada e sobrevive de doações, mas sem a renda do estacionamento que funciona no local, as receitas da Casa têm diminuído. O estacionamento está fechado ao público desde a sexta-feira (20), de acordo com a orientação de evitar aglomerações e com o objetivo de garantir a segurança e o bem-estar dos moradores.
Entre os itens que a entidade mais necessita no momento, estão as fraldas descartáveis geriátricas. A Casa contabiliza o uso mensal de mais de 5 mil fraldas. O leite é outra necessidade dos moradores, que têm uma dieta em conformidade com a faixa etária.



Como ajudar? As doaç…

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas.

Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas geraçõ…

Solidariedade: grupo de voluntários distribui mais de 1.500 refeições em Caruaru

Em tempos de contágio do novo coronavírus, há outro sentimento sendo disseminado em meio à população: a solidariedade. A corrente do bem se espalha e as mãos que ajudam também são ajudadas pelas que recebem. Além da higienização do corpo, que é um dos protocolos das medidas sanitárias contra o covid-19, fazer o bem ao próximo ‘limpa a alma’ daqueles que percebem a condição humana de todos.

A pesquisa ‘Tracking the Coronavírus’, realizada pela Ipsos entre 26 e 28 de março, mostrou que o Brasil está no topo do ranking dos países quanto à preocupação com as pessoas mais vulneráveis. 70% dos entrevistados no Brasil afirmaram temer pelos mais debilitados.
Neste percentual, estão as missionárias Sabrina Carvalho e Sara Galdino, que moram em Caruaru, no Agreste pernambucano. Em meandros de março, elas iniciaram uma ação que, a princípio, parecia pontual e singela. “Quando as autoridades em saúde começaram a intensificar a necessidade de constante higienização das mãos, ficamos preocupadas com…