Pular para o conteúdo principal

Elementos construtivos de um relacionamento conjugal – por Manoel Nascimento

Como é normal, todos partem para o casamento com sonhos, ideais de uma vida feliz para sempre! No entanto, com o passar dos dias, meses e anos, começam a enfrentar a dura realidade da descoberta do outro com seus defeitos, manias, e até mesmo neuroses de estimação. Ao enfrentar esta dura realidade, os sonhos se desabafam e as fantasias se transformam em desilusões! Que fazer? Providenciar a separação? Deixar-se vencer? Perder a esperança de uma restauração? Absolutamente, não! Aliás, jamais devemos nos curvar diante de uma realidade sem que tenhamos tentado conscientemente todas as saídas e soluções. Que fatores podem se tornar construtivos para melhorar, curar, restaurar o relacionamento conjugal?



Um primeiro fator construtivo para melhorar o relacionamento conjugal tem a ver com o crescimento emocional em conscientizar-se de que pessoa alguma pode satisfazer a todas as necessidades de outrem. É verdade que na qualidade de seres humanos possuímos necessidades psicológicas de atenção, estima, valorização, respeito e amor. Tanto o marido quanto a mulher devem tomar consciência da existência destas necessidades e na medida do possível buscar satisfazê-las mutuamente. No entanto, ficar no isolamento ou no pedestal esperando que o outro satisfaça a todas as suas necessidades, nada mais é do que uma atitude infantil, egoística, presentes numa “criança grande”. Não espere que apenas o outro satisfaça as suas necessidades, vá ao seu encontro e expresse o amor em palavras e atitudes. Faça a sua parte. A Bíblia diz que “o amor não busca seus próprios interesses”.

Um segundo fator construtivo para melhorar o relacionamento conjugal tem a ver com o reconhecimento de que ao invés de esperar que nossas necessidades sejam satisfeitas, devemos buscar satisfazer a do outro. Na medida em que crescemos emocionalmente, tornamo-nos menos exigentes, duros, prepotentes, egoístas, e mais prontos, interessados e sensíveis em relação às necessidades do outro. Ao invés de perguntar: Como posso ter minhas necessidades satisfeitas no meu casamento? Deve-se perguntar: Quanto de amor posso expressar ao satisfazer as necessidades da pessoa com quem me casei? Uma fórmula salutar para evitar frustrações ou decepções em relação ao cônjuge deve ser esta: “Não espere muito das pessoas à sua volta; quer sejam parentes, filhos ou seu próprio cônjuge. Tome a iniciativa de amar, fazer o bem, sem uma expectativa de recompensa”. Na medida que cada um, como cônjuge, marido ou mulher, tornar esta fórmula numa realidade a nível de experiência pessoal de vivência, então, muitas dificuldades vão ser sanadas no relacionamento a dois. Se tratar de casais cristãos, uma vida controlada, submissa ao Espírito Santo, vai refletir o amor de Deus, pois o Espírito Santo derrama o amor de Deus em nossos corações. Este amor é o amor ágape, é o amor para além, que independe do valor do objeto amado.

Um terceiro fator construtivo para melhorar o relacionamento conjugal diz respeito à coragem de assumir a culpa dos próprios erros, ao invés de lançá-los sobre o outro. Quando uma pessoa não assume a sua própria culpa, tende a transferi-la para outras pessoas, para a sociedade, para a família ou para o próprio cônjuge. Quem não assume sua própria culpa busca inevitavelmente, um “bode expiatório”, isto é, alguém para levar a culpa em seu lugar. A Palavra de Deus nos mostra que um dos meios de recebermos a misericórdia divina, é reconhecermos nossa própria culpa. “Pela misericórdia, e pela verdade se expia a culpa, e pelo temor do Senhor os homens evitam o mal” (Prov. 16:6). A verdade a respeito de si mesmo, gera misericórdia e mais expiação de culpa. Todavia, enquanto não reconhecemos nossa própria culpa diante de Deus, do próximo e nós mesmos, nosso sofrimento vai aumentando em escala crescente. A maturidade começa dentro de nós mesmos quando cessamos de culpar os outros, racionalizar, e aceitamos a responsabilidade dos nossos próprios erros e buscamos uma mudança real de dentro para fora.

Um quarto fator construtivo para melhorar o relacionamento conjugal consiste em abrir espaço para uma comunicação honesta e franca com o outro. É possível falar a verdade com o outro em amor. “Falar a verdade em amor é uma solução melhor do que colocar a verdade para fora, de modo que venha a ferir”. Na Palavra de Deus há princípios os mais diversos, a respeito da comunicação, no entanto, permanece o fator de que a verdade deve ser sempre em amor. “Pelo que deixai a mentira, e falai a verdade cada um com o seu próximo, pois somos membros uns dos outros” (Ef. 4:25). A mentira afasta, a verdade nos aproxima. O Senhor Jesus foi bastante claro a este respeito: “Seja, porém, o vosso falar: Sim, sim; Não, não; pois o que passa daí, vem do maligno” (Mt. 5:37).

Graças a Deus que existem fatores construtivos para melhorar o relacionamento conjugal, na medida em que houver a disposição de marido ou mulher em vivenciá-los em sua experiência pessoal. Esses fatores dizem respeito ao crescimento emocional, à busca de satisfazer as necessidades do outro, à coragem em assumir seus próprios erros e à sensibilidade em abrir espaço para uma comunicação verdadeira em amor.

Manoel Nascimento é pastor e psicólogo. Este é um trecho do livro ‘A família no plano de Deus’, publicado em Caruaru-PE em 1993

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…