Pular para o conteúdo principal

Direita e esquerda: uma questão de mentalidade - por Sabryna Thais

Para além da discussão eleitoral de ‘direita’ e ‘esquerda’, as diferenças entre estas visões de mundo abrangem características subjacentes aos seres. Esse foi um dos temas discutidos na palestra ‘Perspectivas e desafios conservadores nas eleições 2018, ministrada pelo bacharel em Relações Internacionais Filipe G. Martins, durante o 1º Fórum Nacional da Direita em Pernambuco, ocorrido no Recife no dia 20 de julho.


De acordo com o palestrante, existem três formas de como abordar quem é direita ou esquerda: memória, filosófica e imaginativa. Apresentando a Revolução Francesa (1789) como o movimento que deu início às concepções de direita e esquerda, Martins ressaltou que, já naquele tempo, a direita entendia ser necessário efetuar um exame para resolver os problemas com cautela para depois tomar atitudes , enquanto a esquerda possuía a ideia de que para resolver os problemas da França seria necessário derrubar os reis e o clero. “A esquerda tem a projeção de encontrar soluções definitivas para todos os problemas”, disse. “Isso ocorre também na esfera pessoal, em que o sujeito atribui a si próprio a totalidade da moralidade necessária para o mundo”, observou.

O palestrante ainda declarou que, sob uma mentalidade esquerdista, a pessoa não se orienta através da história, mas do projeto de futuro que ela tem. “É a ideia de que o ‘tribunal da história’ os julgará. Para eles, tudo é válido para alcançar este futuro”, pontuou. Ele ainda mencionou a característica da inversão do mérito do sujeito. “Colocar-se contra as ideias esquerdistas é tornar-se culpado da própria morte”.

De forma simples, Martins apresentou o indivíduo com pensamento de direita como uma “pessoa comum”. Essa definição tem base nos pensamentos do escritor britânico Gibert Keith Chesterton, o qual disse que "a coisa mais extraordinária do mundo é um homem comum, uma mulher comum e seus filhos comuns". Essas “pessoas comuns”, aos poucos, sentiram que ‘algo’ as atrapalhava de desfrutar a vida, o que tem gerado a reação de uma maior participação no debate público.Para Martins, eventos como o realizado em Recife apresentam a seguinte realidade: “Nós, pessoas comuns, com vidas comuns, não estamos sozinhos”.

O FÓRUM
Além da presença de Filipe G. Martins, o Fórum contou com as presenças da escritora e ex-feminista Sarah Winter, do tradutor, ativista político e palestrante Renato Rabelo, e do presidente do Direita em Pernambuco, Matheus Henrique.


Assista à palestra clicando aqui.

Sabryna Thais é professora de Literatura e colaboradora de ConTexto



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…