Pular para o conteúdo principal

Preservando a harmonia – por Martinho Lutero


Respondeu Abrão a Sarai: “Sua serva está em suas mãos. Faça com ela o que achar melhor”. Então Sarai tanto maltratou Hagar que esta acabou fugindo. (Gênesis 16.6)

Na discussão entre Hagar e Sara, Abraão ficou do lado de sua esposa estéril, mais idosa, em vez de ficar com a serva grávida. Abraão não queria entristecer sua piedosa esposa. Assim, ele permitiu que Sara cuidasse do conflito com sua serva como desejava, apesar do fato de Hagar estar grávida, esperando um filho de Abraão. Esse pequeno incidente descreve os perigos, lutas e conflitos que fazem parte do casamento. Sara estava sendo provada, porém Deus a consolou por meio de Abraão. O fato de que Deus sempre zela pelos casamentos e famílias nos mostra que ele se agrada dessas instituições.



A vida familiar frequentemente tem rixas e conflitos entre maridos e esposas. Além do mais, discórdias e contendas frequentes ocorrem no governo. Grupos dissidentes se formam na igreja. Qualquer um que assistisse a todos esses conflitos suporia que nada de bom resultaria de tudo isso.

Essa passagem nos adverte a estarmos preparados para enfrentar os problemas pacientemente. Não pense que você escapará de conflitos no casamento ou de debates políticos. Somente pessoas insensatas, que são ingênuas a respeito da vida, pensam deste modo. Na administração da igreja os problemas são comuns também. Grupos dissidentes e outros criadores de problemas na igreja levam a todo tipo de ruptura. Aqui na terra nós vivemos entre pessoas incompreensivas e obstinadas, que nunca deixarão de espalhar confusão e amargura. Por isso, devemos nos lembrar da história desta passagem bíblica e crer e confiar em Deus, assim como o fiel Abraão fez. Devemos tentar prosseguir em paz e preservar a harmonia da melhor forma possível.

Retirado de Somente a Fé – Um Ano com Lutero. Editora Ultimato. Fonte: Site da Ultimato

Comentários


Postagens mais visitadas deste blog

Baixe aqui o livro - Passos para o Reavivamento Pessoal

Clique aqui para baixar a versão PDF.

Artigo | Covid-19 e os rumos da educação brasileira - por Mário Disnard

Acredito que a experiência de 2020 será um marco decisivo na educação, visto que a pandemia do Covid-19 nos apresenta, mais do que nunca, a necessidade de repensar o papel social da educação para além do processo de escolarização. No Brasil medidas emergenciais foram tomadas para garantir o processo educativo, entre elas, o trabalho educacional remoto. No entanto, diante de tantos imprevistos, gestores, professores, estudantes e famílias encontraram-se num momento de muita pressão, com várias dúvidas e incertezas. Diante da atual situação, os limites impostos têm nos apresentado possibilidades inegáveis de transformação, o que nos remete a uma série de questionamentos: há efetivamente uma preocupação com a qualidade social da aprendizagem? O que este período nos informa a respeito de nossos estudantes e de suas famílias com relação as nossas práticas como educadores?   O que faz sentido manter e o que mudar? É possível repensar o papel da escola e da sociedade na formação das novas

Solidariedade: grupo de voluntários distribui mais de 1.500 refeições em Caruaru

Em tempos de contágio do novo coronavírus, há outro sentimento sendo disseminado em meio à população: a solidariedade. A corrente do bem se espalha e as mãos que ajudam também são ajudadas pelas que recebem. Além da higienização do corpo, que é um dos protocolos das medidas sanitárias contra o covid-19, fazer o bem ao próximo ‘limpa a alma’ daqueles que percebem a condição humana de todos. A pesquisa ‘Tracking the Coronavírus’, realizada pela Ipsos entre 26 e 28 de março, mostrou que o Brasil está no topo do ranking dos países quanto à preocupação com as pessoas mais vulneráveis. 70% dos entrevistados no Brasil afirmaram temer pelos mais debilitados. Neste percentual, estão as missionárias Sabrina Carvalho e Sara Galdino, que moram em Caruaru, no Agreste pernambucano. Em meandros de março, elas iniciaram uma ação que, a princípio, parecia pontual e singela. “Quando as autoridades em saúde começaram a intensificar a necessidade de constante higienização das mãos, ficamos preocup