Pular para o conteúdo principal

"O Brasil está violento por causa das drogas", diz o cantor Mattos Nascimento


Com mais de 40 CDs gravados, o carioca Mattos Nascimento é um dos cantores mais queridos do Brasil no segmento gospel, que também se apresentou em países como Estados Unidos, Holanda, Japão, Itália, Suíça, Bélgica, Portugal, Argentina e Paraguai. Mattos concedeu entrevista simultânea ao jornalista Jénerson Alves, de ConTexto, e à publicitária Fernanda Thafnes, do Blog Cultura e Cidadania. Confira:


Mattos Nascimento falou sobre música, política e seu carinho por Caruaru.
Foto: Joyce Sueely/ConTexto

Faz sete anos que o senhor esteve em Caruaru. É uma emoção diferente cantar na Capital do Agreste?
Sim, é sempre uma nova emoção. Subir em um palco para cantar para uma multidão maravilhosa como esta dá um friozinho na barriga.

Na apresentação que ocorreu há sete anos, o senhor fez uma mensagem muito interessante, falando sobre as drogas. É uma preocupação sua falar sobre temas sociais?
Sempre cito isso. O mal do mundo de hoje são as drogas. “O Brasil está violento por causa das drogas”. A corrupção agrava, mas as drogas destroem famílias. Porém, há drogas porque falta emprego, educação, moradia... Muitos estão na criminalidade porque não têm o que comer – não estou, com isso, querendo dizer que eles estão certos. É preciso oferecer condições para que eles trabalhem e comam.

Como foi a preparação do repertório para este show?
Temos vários estilos. Faço forró, músicas melodiosas, rock, até algo voltado ao funk, mas aqui fiz um trabalho mais voltado para o forró, pois este evento foi um grande “arraiá”.

E o contato com seus amigos de Caruaru?
Tenho muitos amigos em Caruaru. O Jaelcio Tenório, por exemplo, conheci há 27 anos. A filha dele não tinha nem nascido, ela tem 20 anos agora. O Jaelcio foi o cara que me trouxe pela primeira vez a Caruaru, na Rádio Difusora. Ele sempre me deu muito apoio, levou-me para Toritama, Santa Cruz do Capibaribe, Campina Grande, Bezerros. Confio muito em Jaelcio, pois ele é um homem de palavra.

Você é um cantor de muito sucesso. Suas músicas passam muito tempo na mídia. Há algum projeto em vista?
‘O Sonho de José’ a gente vendeu 170 mil cópias, em um tempo de crise, no qual não se vende mais CDs, por causa da internet. Sinto-me privilegiado por isso. Há um projeto novo, maravilhoso, que estou gravando no Rio de Janeiro.

Como foi sua experiência na Câmara Federal?
Eu fui deputado federal, mas deixei o suplente assumir por muito tempo. Agora, estão me lançando no Rio para senador, para esta eleição deste ano. Eu aceitei. Se eu for, ‘aposento-me’ da música gospel para exercer melhor meu mandato.

Como você avalia a importância de o cristão estar inserido na política?
Se os cristãos não estiverem lá, a igreja será exterminada. Há projetos para acabar com o evangelismo, para acabar com a família. Quem segura isso nas câmaras municipais, no estado e na federação são as igrejas.

Que mensagem você gostaria de deixar para o público?
Tudo o que está acontecendo hoje em dia é bíblico: terremotos, fomes, pestes nunca vistos antes. Coisas terríveis acontecerão ainda. Então, o negócio é olhar para o alto, converter-se a Cristo, viver bem, comer bem, viajar bem, ganhar dinheiro bem, mas ter Jesus como seguro de vida. Ele é a única esperança para o nosso país.


Leia mais:
Noite gospel no Pátio de Eventos reúne milhares de fiéis em Caruaru

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…