Pular para o conteúdo principal

Noite gospel no Pátio de Eventos reúne milhares de fiéis em Caruaru


  Texto: Jénerson Alves
  Fotos: Joyce Sueely

A noite da terça-feira 26 foi de louvor e adoração no palco do Pátio de Eventos Luiz Gonzaga. Com o tema ‘Caruaru pela unidade’, o evento gospel reuniu mais de 10 mil pessoas, que ouviram músicas com mensagens de alegria, esperança e fé. A programação contou com as presenças dos cantores Mattos Nascimento, Erasmo Miguel e Fernando Júnior, além dos ministérios de louvor Encontro das Águas e YMB.  



Show de Mattos Nascimento é repleto de dinamismo


Para o comunicador Jaelcio Tenório, um dos organizadores do evento, a cidade de Caruaru estava precisando de um evento deste porte. Ele ainda ressalta a importância de as igrejas enfatizarem a unidade como temática. “Este tema da unidade é muito importante para a igreja. A guerra é espiritual. O momento é muito difícil, não só em Caruaru, mas no estado e no país. E as igrejas não podem ficar com disputas, mas devem se unir em prol de Cristo”, observou.

Erasmo Miguel defende o ritmo nordestino
como uma forma de louvor a Deus
Um dos participantes da programação foi o forrozeiro cristão Erasmo Miguel. Com uma vasta bagagem cultural, o cantor apresentou músicas como ‘Oração de São Francisco’ (católica) e ‘Escudo’ (Voz da Verdade) em ritmo regional. “Mesmo sendo cristão evangélico, tendo um programa de rádio voltado para o público gospel, continuo reverenciando Luiz Gonzaga, Jackson do Pandeiro, Trio Nordestino, e nomes como Santanna, Flávio José, Jorge de Altinho”, declarou Miguel, lembrando que durante muitos anos participou da programação secular dos festejos juninos de Caruaru, participando das bandas de Sebastião Leandro e Reginaldo Pietro (ambos já falecidos). “Eu insisto com a música nordestina, porque nela estão as minhas raízes”, complementou. O repertório de Erasmo Miguel conta com músicas de autores não-evangélicos, a exemplo de Padre Zezinho, Gilson, Fernando Mendes, Ana Vilela e Severino Feitosa.

Um dos diferenciais da noite gospel para outros programas que acontecem ao longo do mês no Pátio de Eventos é a interação da plateia, que ocorre de forma salutar. Na ocasião, o comércio no ambiente dispensou a venda de bebidas alcoólicas, em virtude do perfil do público.
Jaelcio Tenório destaca a importância da unidade

O pastor da Igreja Encontro das Águas, André Gomes – também organizador do evento – pontua que o princípio da unidade entre os cristãos é bíblico, tendo por base a oração sacerdotal do Senhor Jesus, registrada no capítulo 17 do Evangelho de São João.  “A Palavra do Senhor nos mostra que a visão da glória de Deus vem através da unidade. Quando Jesus orou pelos discípulos, disse: ‘Pai, que eles sejam um como Eu sou Contigo, pois assim o mundo verá a Tua glória’. Então, o que revela a glória de Deus não são os nossos dons – cantar, pregar, adorar – mas a nossa unidade. Jesus sempre ensinou aos discípulos a serem um, lavarem os pés uns dos outros e caminharem em unidade”, ressaltou.


Pr. André Gomes destaca as bênçãos em servir a Deus

Noite gospel
A inserção de atrações evangélicas na programação dos festejos juninos de Caruaru começou em 2011, com um evento denominado ‘Chama Viva’, organizado por Jaelcio Tenório, que teve duas edições. Nos anos seguintes, a programação ficou a cargo da Associação de Pastores e recebeu o nome de ‘Caruaru, a Capital da Adoração’.  “A mudança do nome altera a forma, mas não a essência, que é Jesus. Caruaru é a Capital da Adoração. Entendemos que este município é um campo em que as sementes do Evangelho são plantadas e nosso sonho é ver este Evangelho florescendo em cada vida, em cada coração”, pontuou o pastor André Gomes.


Leia também:
"O Brasil está violento por causa das drogas", diz o cantor Mattos Nascimento


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A intolerância dos tolerantes e os confetes carnavalescos - por Amanda Rocha

A quarta-feira passou, mas as cinzas do carnaval deixaram um imensurável prejuízo, não apenas econômico graças aos diversos dias de inatividade industrial e comercial, não somente pelas grandes cifras de dinheiro público usado para distrair a população embalada por ritmos dançantes e letras chicletes ou pornográficas, enquanto hospitais e escolas funcionam em deploráveis condições. Contudo, diria mais, não unicamente pelo elevado índice de acidentes e mortes nas péssimas estradas. Pensando bem, qual o intuito em citar o elevado número de contágio de doenças sexualmente transmissíveis em relações desprotegidas durante esse período? De igual modo não se faz necessário referenciar a elevada despesa que o Sistema Único de Saúde terá por consequência do carnaval; tão pouco se faz cogente contabilizar o número de criminalidade que se eleva nesse período – assaltos, homicídios, latrocínios, tráfico; os casos de divórcios, de gravidez indesejada - que em parte culminará em abortos realizados …

Regime Militar e Movimentos Sociais, quem é o mocinho e quem é o vilão? - por Amanda Rocha

Desde a década de 70 o Brasil tem-se acrescido em números de movimentos sociais e sindicatos, suas origens datam em anos anteriores, mas sua efervescência dá-se no período de Regime Militar. Eivados da necessidade de luta de classes, esses movimentos disseminam que nasceram para combater o regime ditatorial vigente nas décadas de 60 e 70 no país, mas disfarçam o cerne de suas bases ideológicas, cuja finalidade é a imposição da ditadura do proletariado. Nascida na mente insana e nefasta de Karl Marx, essas utópicas soluções para o fim das desigualdades sociais e econômicas concretizaram-se em diversos países, e por onde passaram promoveram unicamente a igualdade da miséria. Dentre as tantas falácias que divulgam, mentem sobre a ordem dos fatos, uma vez que os movimentos não surgiram com o intuito de lutar pela democracia e findar o Regime Militar, há nessa afirmativa uma completa inversão, visto que o Regime Militar foi conclamado pela população e aprovado pelo Congresso, nessa época, …

Se o sol não brilhar, aproveite a sombra do dia nublado - por Davi Geffson

Já percebeu o quanto costumamos a reclamar? Se faz sol a gente reclama, se chove reclamamos do mesmo modo, na verdade, somos serescom anseios e desejos, mas precisamos entender que nada gira em torno de nós. É um conjunto, são vários humanos com os seus devaneios de “ser”. Achar que tudo gira em torno de nós, e por isso, deve ser do nosso jeito, é o mesmo que caminhar em uma esteira, você perderá peso, irá suar, vai se cansar, entretanto, continuará no mesmo lugar.


Tudo pode ser mais simples se ao invés de reclamarmos, impulsionarmos o sentido do “procure o que há de melhor”, em tudo iremos encontrar o lado positivo e o negativo, se assim não fosse, que chato seria. Não queremos nem muito, nem pouco, queremos balanceado, com equilíbrio, isso é o que mescla a nossa vida. Uma comida com muito sal é péssima, com pouco também, agora quando se coloca a quantidade ideal, huuuum, que delícia. Assim é a vida, nem tanto, nem pouco, mas o suficiente.
Diariamente, Deus nos concede o dia que nos fa…